sábado, 23 de agosto de 2008

Tinteiro sim.

Eu uso canetas-tinteiro.

Elas são mais difíceis de controlar, ao contrário da espherográphica, esta é um burro domado à mercê de quem escreve.

Elas são muito mais caras que as melhores(?) espherográphicas de papelaria, que facilmente custam cinqüenta centavos ou menos.

Elas demandam cuidados de manutenção que as descartáveis dispensam, bem, porque são descartáveis. Falhou, joga fora. Tu não vais querer jogar uma Parker de cento e tantos reais no lixo.

Elas não aceitam escrever de qualquer jeito, ao contrário da descartável, que aceita ficar quase deitada e em qualquer posição.

Er... então qual é a vantagem? Nanis ficou doido? Nanis gosta de sofrer? Nanis é vendedor da Bic?

Nein. Os primeiros parágrafos são justamente os motivos, embora pareçam desvantagens.

Uma tinteiro é mais difícil de controlar, demanda um aprendizado, mas isto te faz ter mais auto controle, ficas mais ciente do que estás escrevendo ou desenhando.

Uma tinteiro é bem mais cara, mas não tão cara que não se possa ter uma boa por dez ou quinze reais, sabendo procurar. Uma caneta-tinteiro é para a vida toda, o que leva à próxima...

Uma tinteiro de boa qualidade vara décadas, por vezes os séculos, de geração em geração. O único resíduo que gera é um cartuchinho plástico minúsculo ou, quando tem bombinha, o vidro de tinta. Mas ambos são facilmente recicláveis, junte um monte de cartuchinhos e um monte de vidros que nem será preciso fazer triagem para separar tipos, é colocar na máquina e transformar em algo novo.

Uma tinteiro é exigente para com seu dono. As minhas me fizeram penar até eu aprender a lidar com elas, mas a minha caligraphia melhorou horrores, sem precisar fazer curso nem nada. Além de moderarem a minha velocidade, o que me faz pensar melhor no que escrevo, o que aumenta o vocabulário e a riqueza do texto que redijo. Conseqüência imediata, evido ao máximo repetir palavras em um parágrafo. Também não escrevo supérfulos.
Eu já tinha uma consciência clara de que nada sai do nada e nada vai para o nada, e que isto se aplica também aos resíduos diários. Por isto sou a favor da venda a granel, para a qual cada um teria seu próprio recipiente; dos objectos duráveis, que consomem mais matéria-prima de início, mas poupam-na em muito maior escala com o passar dos anos. Os fabricantes não teriam o que temer, pois a manutenção e venda de peças de reposição também dão lucro. É muito mais charmoso e elegante andar com uma sacola de algodão estampado ou uma cesta de vime, cheia de tupperwares e latinhas decoradas, do que com um monte de embalagens de papelão cujas ilustrações quase sempre pecam pelo mau gosto e pela gratuidade. Isto também ensina às crianças que tudo tem um destino e que não é preciso se entregar aos valores efêmeros para ser feliz, muito pelo contrário. Perguntem às suas avós se elas (ou suas mães) deixavam de se divertir por falta de red bull, ou qualquer outra bobagem que as propagandas juram que tu não podes viver sem. Não condeno a espherographia, afinal ainda há documentos com várias vias e carbono, que precisam de uma certa rudeza, mas também há delas recarregáveis. Prefiram-nas.
Mas sejamos francos, uma pena Compactor sem clipe, própria para se levar na bolsa, em sua grande variedade de cores, é um presente para qualquer menina-moça. Ei, garoto, estou falando contigo. Por cinqüenta reais (até menos) tu compra uma para o teu broto, e é presente que ela vai guardar pela vida inteira.

9 comentários:

Frankulino disse...

E ainda me perguntam pq eu tenho medo do Nanael!

Luna disse...

Nunca usei tinteiro. Adoro canetas, tenho várias, principalmente coloridas. Não sei o que me dá, tenho que comprar. Síndrome de infantilidade tardia...
Só uso mesmo para fazer palavras-cruzadas, algumas levo para o trabalho.

Coidipobre: não vivo sem caneta Bic preta.

Rafaella disse...

Quando li a primeira frase, tive certeza de que o texto seria seu!
E nem me fale em canetas, adoro.Mas ao contrário de você, opto pelas esferográficas e mais baratas. Mas estilosas, sempre.

Meg disse...

Pois é, comigo também é a Bic preta do dia-a-dia, eu preciso de velocidade para copiar as aulas.

Frankulino disse...

eu não consigo passar uma semana com a mesma caneta. Sempre perco... imagine se é uma dessas caras! Deusulivre!

Nanael Soubaim disse...

Uma caneta barata não desperta cuidados. Se tu souberes que vais apanhar se perder uma mais cara, ficas atento.

Frankulino disse...

Não nanis, sério, as canetas somem, eu perco tudo, tudo mesmo! É por isso que não tenho celular...

Anônimo disse...

Sem duvida, nanael tem razao, se souberes que vais apanhar se perder uma mais cara, ficas atento!

com relação ao conteúdo dos textos, tambem concordo que começas a prestar mais atenção no que escreves.

parabéns pelo texto. adorei =)

De: Leonardo Moro
anonimo, pois nao tenho meu blog. ;D

Anônimo disse...

Excelente texto!