segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Lições dos animês para a vida - 01


Foi por acaso que tive esta idéia de jerico e decidi escrever na hora para não perdê-la, como tantas que se evaporaram, então não esperem um primor literário, estou improvisando.

Como as heroínas criadas até os anos setenta, como a Mary Marvel, as personagens japonesas mostram nas telas, e nos mangás, cousas que nossas avós já sabiam e tiravam de letra, embora nem sempre sem um sacrificiozinho, nada que não valesse o gosto feito.


É possível usar roupas elaboradas no dia a dia. Pode parecer até patológico para alguns, mas roupas extravagantes, como as da bélle époque, podem ser utilizadas no cotidiano com algumas adaptações, afinal as mulheres se aventuravam ao volante, no fim do século XIX, só sofrendo para conseguir ajuda com a maldita manivela para dar partida. Não tão longe, dá para se utilizar um vestido estilo anos cinqüenta, ou um tailleur esvoaçante, sem que isso atrapalhe o cotidiano. Claro que no desenho os rodopios fazem as gôndolas ficarem, miraculosamente, mais distantes, mas é questão de saber onde termina a roupa e começa o resto do mundo. Saias esvoaçantes plissadas, para deixarem a usuária à vontade, precisam de anágua. Na verdade é possível fazer combinações extravagantes sem tornar-se impraticável, como cores berrantes em um modelito de corte simples, com uma echarpe florida e pulseiras. Fica-se perua? Sim, fica-se, mas uma perua de classe. Se feita sob medida, então... Se joga que a cena é toda sua!


É possível usar roupas curtíssimas sem aparecer absolutamente nada. Que o digam as avós, que viram a mini saia nascer muito mais curta do que a maioria das de hoje, só que sem mostrar o rego, é claro. É questão de saber o seguinte, as pernas estão à vontade e o vento não respeita pudores, então as mãos precisam estar mais rentes ao corpo, para evitar imprevistos, nada além disso. Na hora de se sentar, pernas juntinhas e mãos no colo. Na hora de correr, complica, mas nada que pé-ante-pé não ajude a resolver. Ajuda muito saber que barra muito alta, precisa de tecido mais pesado e opaco, com corte mais justo nos quadris, não se deve acreditar que duas fazendas com aparentemente a mesma textura, terão o mesmo efeito. Ponha-as contra a luz e pese um pouco de cada em cada mão. Uma vantagem de roupas curtas, é que elas permitem o uso de cores cortes e estampas grandes, sem te fazer parecer mais volumosa, especialmente se fores feitas por uma costureira ou um alfaiate, aí a cousa fica perfeita.


Classe é atitude. Notaram que elas sempre parecem mais nobres e elegantes? Mesmo as mais humildes? Bem, isso nossas avós também sabiam, mesmo as do interiorzão deste país sem tamanho. A questão é saber que se está em um mundo, não no seu mundo. Ele não vai se tornar menos perigoso e oneroso por sua causa. Então trate de antecipar os eventos, olhando de forma altiva, tudo ao seu redor, sem empinar e sem abaixar o nariz. Andar com delicadeza, na maioria dos casos, é evitar tropeçar por um passo mal ou não calculado. Andar com sensibilidade, permite dosar bem a força de cada passo. Em pouco tempo isso já é feito instintivamente. Andar com altivez dá a melhor boa impressão que um desconhecido pode receber, bem como ajuda a afastar os aventureiros, pois dá a impressão de que se quer cousa séria. Aliás, uma postura realesca faz as roupas mais sexies, desde que não sejam propositalmente vulgares, parecerem elegantes, selecionando os cancidatos a Don Juan.


Não deixe seus exercícios para as máquinas. Dá muito bem para subir três andares, ou umas cinco quadras, pedalar, enfim, dá para se dispensar a ajuda mecânica na maioria das actividades cotidianas. Sabem como nossas bisavós passavam roupa? Tinham que encher de carvão um ferro de ferro fundido, pesando de três a cinco quilos, e balançá-lo até o vento entrar em volume suficiente pelos furos e atiçar a brasa, e repetir a operação cada vez que ele começasse a esfriar. Nenhuma morreu por isso, mas não precisa chegar a tanto. As moças de animês são, na maioria das vezes, praticantes de artes marciais ou um esporte. Exercícios regulares de vez em quando, mesmo moderados, fazem maravilhas pelo corpo e pelo bom humor. Comece dispensando o ônibus quando o sol estiver tênue, na transição do dia para a noite. O mais sábio é se exercitar com o que se gosta, não com o que regras politicamente patéticas mandam. Quer uma pizza? Se a pizzaria não ficar muito longe, vá buscá-la vocês mesma. Ok, quer manter o emprego do entregador, que bela e esfarrapada desculpa! Então vá convidar os amigos pessoalmente para compartilharem da pizza, mover os músculos para gastar a energia a ser reposta. Andar, carregar as compras da feira, exercitar as pernocas... Se mexe, menina!


Não tenha vergonha de tua idade. O estereótipo necessário à expressão dos animês dá bem o recado, cada um é feliz se usufrui a contento de sua fase. Não se force a parecer uma pessoa séria e austera, nem o contrário. Cada jeito de ser tem sua função no mundo, bastando saber se portar em cada ambiente, não há motivos para parecer o que os outros querem que pareça. Não tente parecer mais velha para entrar em um recinto de que tu, na realidade, não gostas. Quase cem por cento o fazem só para agradar ao grupo de pseudo-amigos. Da mesma forma, é idiotice negar o passar dos anos, acreditando que sexo com garotões vai retroagir o tempo. Não seja escrava de tua idade, seja aliada dela, quem se assume consegue extrair muito mais do que o dinheiro é capaz de comprar, e de graça. Gente autêntica tem amigos autênticos. Alegrias e tristezas, todas as fases têm, saiba dar a devida atenção a cada uma, é isso que te dá o glamour que os filmes prometem.


O que foi dito aqui, serve também para os rapazes, e acrescento: Seja cavalheiro. Certo, nem todos, neste tempo corrente, estão prontos para agir com dignidade ante um gesto cavalheiresco, mas não se encontra quem esteja se não começar a praticar. Não se iluda com a força demonstrada pela moça, todas as que estão dispostas a um compromisso, gostam de um cavalheiro, todas sem exceção. Ceder a vez, na maioria dos casos, é o bastante para impressioná-la. Isso vai arrancar risos de escárnio de muitas, mas será o filtro necessário para saber quais honrariam tua parceria, e quais te meteriam um par de chifres na primeira oportunidade. Além do mais, isso vai te amadurecer mais do que teus pais esperam de ti. Como eu sei? Meu amigo, eu sou aquele amante à moda antiga, do tipo que ainda manda flores, que apesar dos velhos tênis e da calça desbotada, ainda chama de querida a namorada.

2 comentários:

Angel disse...

Gostei!

Nanael Soubaim disse...

Então, pode "roubar" 8-)