quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Para o Natal

Sei que a essas horas todo mundo está falando no natal, e talvez alguns de nós sequer têm paciência para ouvir sobre isso.

A essas alturas, já passaram quase todas as reportagens tradicionais da época: as pessoas que se vestem de Papai Noel para alegrar as crianças carentes, o comércio e o brasileiro-que-deixa-tudo-para-a-última-hora (como se fôssemos só nos...), a comemoração em diferentes culturas, a pessoa que enfeita sua casa com motivos natalinos para todo canto, a reportagem sobre a Lapônia, "a-terra-do-Papai-Noel", os presépios de todo tipo e por aí a fora.

Também o natal dos famosos, os amigos-secretos, receitas exóticas e tradicionais... e algumas reportagens vêm desde JULHO, mostrando a fabricação de panetones e enfeites.

Sim, já se falou muito sobre o natal, e você provavelmente já recebeu cartões animados e cheios de brilhinhos, talvez mensagens de slides estilo power point e até com musiquinha, daquelas que nos dão vontade de ser blasê.

Mas eu queria falar mesmo era sobre o Natal, com maiúscula. Talvez você nem acredite em Deus, nem Cristo. Porém, ainda que para você seja apenas uma lenda, pode refletir sobre seu significado. As partes mais conhecidas sobre a data combinam passagens dos evangelhos de Mateus e Lucas (ambos nos caps.1-2). Ali, se fala de esperança, de renovo, de generosidade, de alegria, de fé, de gratidão. Nenhuma dessas palavras pode ser atribuída a uma só religião, nem destituída daqueles que afirmam não ter religião alguma.

Todas essas palavras podem nos ensinar a nos tornarmos pessoas melhores, porque, mesmo que alguém não creia nela, trazemos até no nome da espécie a marca da criação (homo sapiens sapiens, humano que sabe que sabe, mas feito de terra, do latim humus, humanus). Assim, temos a marca da divindade, ainda que para alguns simbólica, e da simplicidade ao mesmo tempo.

Nada pode traduzir o Natal melhor que isso: deixar essa marca de divindade e simplicidade transparecer, e não só nesta época. Sem medo de parecer piegas.

Feliz Natal!

11 comentários:

Luna disse...

Ai, que lindo! Não sabia que a palavra humano vinha de humus!

É isso... por mais que tenham transformado o Natal numa festa comercial, não podemos esquecer do sentido verdadeiro.

Estar com as pessoas que a gente ama é um deles.

Fio disse...

Só a título de curiosidade, o Natal como o conhecemos é celebrado nessa época por conta do sincretismo que foi feito com o Culto de Mitra, quando o Cristianismo se tornou religião oficial do Império Romano.

Enfim...

Pelo menos, pra mim, a nível de mim mesmo, enquando indivíduo particular Eduardo (aka Fio, Fiodoxó), Natal é uma data especial.

Tem gente que faz discursos inflamados contra o Natal, contra Papai Noel, contra o consumismo e o capitalismo, que tem que ser caridoso o ano inteiro, não só no Natal, bla bla bla....

Mas a verdade é que essa é uma época linda porque tudo o que há de melhor no ser humano (como disse você muito bem, Adri) half-divine, mezzo filho da Terra...

Enfim... Só dá pra dizer:

Feliz Natal !!!

Marcos Lima disse...

"Transformaram o dinheiro em uma espécie de Deus" e essa é a maior razão do Natal ter virado esse pardieiro, com um povo apressado, lotando os shoppings populares, e esquecendo do verdadeiro sentido do 25 de Dezembro.

Fato é que nós pensamos que esse é o nascimento do filho do dinheiro e não do filho de Deus !

Abraços

Leandro Merlllin disse...

Ainda bem que existem pessoas que ainda cultivam o chamado "espírito do Natal"... E outras ainda mais raras que cultivam esse tal espírito não só na data especial de hoje, mas todos os outros dias de suas vidas...

É preciso entender que devemos chegar de ser perdulários e pôr a mão na consciência, que enquanto nos enchemos de presentes e comida farta, outros ainda esperam um milagre dos céus... Ou um vindo de Brasilia, mesmo...

Abração à todos, um Feliz Natal e comprimentos especiais ao meu mestre Dave Coelho!

Leandro Merlllin disse...

Ainda bem que existem pessoas que ainda cultivam o chamado "espírito do Natal"... E outras ainda mais raras que cultivam esse tal espírito não só na data especial de hoje, mas todos os outros dias de suas vidas...

É preciso entender que devemos chegar de ser perdulários e pôr a mão na consciência, que enquanto nos enchemos de presentes e comida farta, outros ainda esperam um milagre dos céus... Ou um vindo de Brasilia, mesmo...

Abração à todos, um Feliz Natal e cumprimentos especiais ao meu mestre Dave Coelho!

Kelly Campos disse...

Eu acredito neste natal. Um Natal de simplicidade e amor.

Nanael Soubaim disse...

Façamos como as fábricas de panettone, comecemos a cultivar o Natal cada ano mais cedo e deixá-lo cada ano mais tarde. Quanto se derem conta, será Natal o ano todo. Feliz Natalicoisa.

Meg disse...

Feliz Natalicoisa! --> adorei.

Adriane disse...

Amigos, que bom que gostaram de meu pequeno texto.
Luna, também acho linda a origem da nossa espécie.
Fio, sim, claro que não foi em dezembro... os pastores não poderiam de forma alguma levar as ovelhas nas campinas de Belém no inverno... Mas ainda amo o significado da data.
Marcos, com certeza, às vezes a gente perde um pouco o foco no meio das luzes picando.
Leandro, grata pelo comentário, e tens toda razão: devemos cultivar o espírito do Natal, sempre.
Kelly, com uma frase, definiu tudo o que quis dizer!
Nanael, amei a comparação.
Meg, também adorei o Feliz Natalicoisa. queria ter pensado nisso.,.. hehehe!
Bjs!

fabio_ disse...

Feliz Natalicoisa
Mas que... AAAAAWWWNNNN!!!

Já amo!

Rafaella Baracho disse...

Também acredito num Natal de simplicidade e amor! lá em casa, também na tentativa de resgatar isso, fazemos meio que uma reunião em família, com dinâmicas, amigo secreto diferenciado, apresentações das minhas primas, como forma de tentar resgatar isso. Bom, acho que funciona: é uma festa sem bebedeiras e presentes grandiosos e caros,porém muito divertida!


Feliz natalicoisa pra vcs!