domingo, 19 de junho de 2011

Miss Puff


Ela é bonita, inteligente e independente. Usa seu indefectível chanel curtinho de franja densa e cílios densos, que juntamente com sua pele alva e a boca pequena, dão-lhe um ar de melindrosa.

Esta é Miss Puff. Não, não é a professora do Bob Esponja. Trata-se de uma animação para adultos, mas sem as apelações grotescas a que estamos habituados, onde os personagens são desenhados, todo o restante é real. O que eles fazem é filmar os cenários, inclusive o prédio onde Miss Puff mora, e em cima da filmagem colocam a animação. O que serve também para se conhecer o cotidiano da gente simples, mas orgulhosa, da China, já que os nativos se mostram muito à vontade diante das câmeras.

É uma criação do site chinês Youku (aqui e aqui), o youtube da China, que aborda com competência a nova geração de chineses, especialmente de Beijim, que consegue sua independência financeira muito cedo e tem uma queda indisfarçável pelo modo ocidental de vida. Especialmente o american way of live. A tecnologia, especialmente aparelhos da Apple, está intensivamente presente na rotina de todos os personagens, mesmo os mais simples.
Não sei se há um personagem fixo além da protagonista, me parece que não.

As tramas não são extraordinárias, mas são guiadas com a competência da disciplina oriental, conseguindo belos resultados tanto de crítica quanto de público. Já são quase oito milhões de acessos aos vídeos da série, se é que enquanto digito o número não foi extrapolado.

Miss Puff não tem poderes sobre humanos, ela é uma jovem com todos os defeitos e virtudes que lhe cabem. É imatura, mas é generosa; é volúvel, mas é gentil; é passível de traição, mas é uma amiga fiél. Por seu intermédio a série mostra relações extraconjugais, amigos homossexuais, gente pobre, enfim, o cotidiano real e sem maquiagens de Beijin, que mesmo de cara limpa é bem bonitinha. Web site da cidade aqui.
A animação é em duas dimensões, o que dá um certo charme de colagem animada à série, especialmente vendo as pessoas pasarem pelos personagens. Mas é uma colagem bem feita, que tem até sombras compatíveis com a iluminação da locação.

O que denuncia a clara origem chinesa, é o viés poético de muitas cenas . Como quando ela trai o rapaz que conheceu em um encontro de internet. Ele Queria algo sério, estava realmente entusiasmado com aquela moça gentil e desinibida, mas ela tinha outros planos e foi para a cama com outro sem pestanejar. Nada de explícito é mostrado, mas é uma série feita para bons entendedores. No fim ela fica à janela do apartamento, vendo o dia se tornar noite, uma clara alusão à culpa por ter magoado o rapaz. Por ser feita para quem sabe entender, o idioma não é problema, compreende-se o que eles querem dizer sem dificuldades, inclusive porque quase todas as situações são universais do mundo moderno.

É uma boa chance, aliás, para o brasileiro perder o preconceito que tem contra os chineses, e a mania que temos de confundir um povo com seu governo. Já pensaram se os outros países nos considerassem a todos corruptos e desumanos como os que elegemos?

Não, a série não tem pretensões de vir á televisão ocidental, ao menos por agora, especialmente para o Brasil. Mas a internet existe para isso. Já não há quem veja por ela, enlatados americanos que só estreiam na tevê aberta quando saem do ar por lá? Então não custa digitar "Miss Puff Youku" e encontrar a animação. Não tem erro.

A série já chamou atenção ocidental (aqui) e a pirataria não demora a fazer suas traduções toscas para atender à demanda nascente.

video

2 comentários:

Adriane Schroeder disse...

Gostei de tê-la conhecido
:)

Nanael Soubaim disse...

*"Obligada, volte semple".