sábado, 30 de janeiro de 2010

Que mal entendam

Não é habitual eu justificar o que escrevo aqui, à amiúde pouco me importa que não gostem ou deturpem o que disse.

Ataques daqui e dali vêm e eu continuo com as complicações diárias que me chamam a atenção, pois tenho muito o que fazer fora da internet e nenhuma disposição para implantes córneos em encéfalos de eqüinos, com trema.

Nas últimas semanas, porém, pêlos eriçados apontaram para mim; de uns como se eu fosse um radical de extrema direita que quer restaurar o escravagismo, expulsar os negros do país e estabelecer uma religião única e compulsória; de outros como se eu fosse um misógino radical a tramitar um projecto de lei para obrigar as mulheres a nascerem e morrerem dentro de casa, submissas e à mercê de seus amos e senhores, exclusas da declaração universal dos direitos humanos; outros ainda com maluquices que só podem ter saído de algum adolescente desocupado, ou de um adulto desocupado com cabeça de adolescente.

Como me pegaram (no plural) em uma péssima semana, com o estresse minando a saúde, que nunca foi lá essas cousas, e a depressão piorando o quadro, decidi prestar alguns esclarecimentos.

Por que não o fiz logo na primeira encrenca da semana? Porque uma só não me deixaria assim, e porque não permito que a neurose alheia mude meus hábitos. Se tivesse acontecido algo de bom, teria feito um texto extra, como não aconteceu é melhor poupar vocês do que não precisam ler.

Abri este blog em 2006, por insistência das amigas Ana Martins e Renata. Acreditei que quase ninguém fosse ler, que poderia escrever e divulgar minhas idéias de gerico sem medo, que só quem realmente procurasse com a finco um tema correlato aos textos parasse por aqui. Longe de ser um fenômeno de acessos, o Palavra de Nanael é bastante lido, em sua maioria os leitores são anônimos, sei porque tenho retorno de alguns deles por outros veículos, alguns ao vivo.

Não ganhei um centavo sequer, nenhum presente de agradecimento, nenhuma publicidade na imprensa. Venho ao computador de boa vontade, escrever aquilo que acredito que devo escrever, nem sempre satisfeito com o que escrevi. O que faço aqui não é um desabafo, é divulgação de idéias, nenhuma de minhas necessidades é satisfeita com este trabalho, nenhum dos meus sonhos foi realizado e não tenho a menor esperança de que aconteça. Em suma, aqui não há interesses. Lá em cima, no monitor, enquanto escrevo, há uma lingüeta onde leio "Gerar receita". Nunca cliquei lá e não tenho planos de fazê-lo.

Eu não tenho posses, não tenho influência na mídia nem na poítica, não lidero agremiação nenhuma, nem clube, nem instituição, nem uma sociedade secreta. Eu não represento perigo algum para vocês, para suas ideologias, suas liberdades individuais, seus vícios e suas crenças mais arraigadas. Mesmo que pudesse representar, não o faria, não me interessa.

Não gosto de retóricas. Admiro a habilidade com as palavras, mas raramente leio algo onde uma longa espiral toma indevidamente o lugar da reta. Pessoas que tentam apenas provar que estão certas, em vez de buscar resolver um problema, não têm minha audiência. Sou muito pragmático e busco resultados em tudo o que faço, desperdiçar palavras em busca de um orgasmo verborrágico coletivo está fora da minha alçada. Talvez por isto seja mal interpretado, mas é da minha natureza não dar mais do que a medida. Citar nomes famosos e pomposos, obras aclamadas e afins não me convence; Nietzsche me dá nos nervos, Saramago me dá sono, citações à Revolução Francesa me soam cada vez mais como fanatismo religioso, não vejo diferença entre Fidel e qualquer outro ditator de qualquer outro país ou época.

Eu não sou partidarista. Não é por ter idéias similares às minhas que considerarei certo tudo o que me for dito, eu contrario com muita freqüência (e trema) meus amigos e a mim mesmo. A mim porque não escrevo o que gostaria de escrever, escrevo o que me parece oportuno. Não é por Angela Merkel ser de um partido teoricamente contrário a muitas de minhas idéias que ela me desagrada, não é por Marta Suplicy ter alardeado idéias teoricamente simpáticas às minhas que deixei de lamentar muitas de suas decisões, como o destino dos trólebus.

Eu não sou dogmático. O facto de eu defender algo não me obriga a concordar com toda a idéia, nem de maltratar ou ver como inimigo quem aparentemente a contraria. As regras que sigo não me prendem, me orientam. Se não gosto do que leio simplesmente deixo de ler, não vou atrás de ninguém tirar satisfações e não deixo recadinhos malcriados.

Não sou racista nem machista. Meu padrão de beleza não me foi imposto, rejeitei tudo o que me parecia errado e arquei com as conseqüências, ainda na adolescência. Já expliquei noutros textos a minha concepção de beleza, meus critérios para considerar o que é belo e a importância da harmonia nesta equação. Ter Grace Kelly como modelo de beleza não é ser racismo, ter Audrey Hepburn como modelo de elegância não é machismo, estou convencido de que meus detratores nem tentam enxergar o que vejo nelas, só o que seus dogmas pseudoprogressistas ordenam.

Sou adulto. Não tentem me dar lições de vida, ou dizer que não sei do que estou falando, não ache que sabe mais da minha vida do que eu mesmo. Quase ninguém sabe da minha vida e prefiro que assim seja, pelo que ninguém tem maturidade, autoridade ou mesmo moral para dizer que estou errado, muito menos usando palavras de baixo calão. O que sou hoje (não grandes cousas, admito) é resultado de esforço próprio, de contrariar hipocrisia de família e sociedade e arcar com os custos da petulância. A vida me deu lições duras e numerosas o suficiente, se eu não pedir, guarde para si as suas.

Eu conheço psicologia, tanto pessoal quanto coletiva. Conheço e aplico na prática, não em discursos raivosos. Aplico para ajudar a resolver um problema, não para alimentar ressentimentos e rivalidades. Me mandar estudar ou ler algo é inócuo, quase tudo é meramente discursivo. Conheço jogos de interesse, conspirações, manipulações de opinião e similares, eu trabalho em uma repartição pública arrecadatória e fiscalizadora, portanto dispenso aulas de gente revoltada.

Continuarei escrevendo ao meu modo. Não aderi à deforma ortográphica, não sou politicamente patético, não sou ufanista e não sou refrigerante para ter um rótulo. O que eu expresso aqui é o que eu sou, Nanael Soubaim é um cognome, não um personagem. Sou imensamente democrata e respeito o direito de expressão e opinião, só não dou a mínima para a imensa maioria delas, pois não me dizem respeito. Não me importo em parecer velho com isto, não me sinto lisonjeado quando me chamam de "jovem".

Se tu não gostas do que escrevo, há uma miríade de blogs que podem perfeitamente atender às tuas expectativas. Se tens sugestões de temas, reclamação consistente ou pedidos a fazer, a caixa de comentários está à disposição. Já atendi pedidos justos mais de uma vez, não me custa nada. Agora, se pretendem continuar lendo o que escrevo, apesar dos avisos, e me entenderem mal, que mal me entendam.

5 comentários:

Adriane Schroeder disse...

"Se quiserem me entender mal, que me entendam".Taí uma grande verdade. Pessoas acostumadas a interpretar mal - ou, o que é pior, para o mal o que os outros dizem não deixarão nunca de fazer isto.
Muito bom, Nanael.

Nanael Soubaim disse...

8)

Vinicius disse...

*aplausos*

Parabéns! =)

Anônimo disse...

http://prixviagrageneriquefrance.net/ achat viagra
http://commanderviagragenerique.net/ commander viagra
http://viagracomprargenericoespana.net/ comprar viagra
http://acquistareviagragenericoitalia.net/ acquistare viagra

Anônimo disse...

http://commandercialisgeneriquefr.net/ cialis
http://acquistarecialisitaliaonline.net/ cialis farmaco per impotenza
http://comprarcialisespanaonline.net/ cialis venta
http://achetercialisfranceonline.net/ cialis