quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Cartão-postal - história, curiosidades e um cadim mais






Inspirado pelo recebimento de um cartão-postal enviado a mim pelo queridíssimo Dave Coelho, a quem dedico esse pequenino texto. Beijos, deevah!






Aquele simpático cartãozinho com foto-de-local-lindo que nós conhecemos como cartão-postal, em sua primeiríssima versão apareceu lá pelo século XIX. Como muitas invenções legais que não foram devidamente patenteadas, há várias versões sobre quem teria sido o autor do dito-cujo.


Os estadunidenses, lógico, garantem que foram eles. Se a história não fosse bem específica quanto a isto, eles seriam mesmo capazes de dizer que inventaram a pólvora, a escrita e o domínio do fogo. E, claro, eles também patentearam (como fizeram com tantos outros inventos alheios) o cartão-postal, em 1861, não tendo, porém, havido sobreviventes dessa que teria sido a primeira leva.

Os alemães também requerem a invenção, que teria sido lançada num evento oficial, como não poderia ser diferente, levando-se em conta o estereótipo de organização germânica, tão decantado. Não apenas foi oficial, mas teria acontecido na Conferência Postal Germano-austríaca, em 1865 (uau, antes mesmo da unificação alemã - 1871).

A última versão dá conta de que foi criado por uma questão de economia de envelopes e simplicidade, em pleno momento da chamada "Paz armada" (anterior à Primeira Guerra Mundial - 1914-1918) e teria sido invenção dum professor de Economia Política do Império Austro-Húngaro, em 1869, ano em que os correios do então vigoroso império lançou o primeiro cartão-postal. Era bem singelo, um cartão creme com escrita em preto. Nada de fotheeeeeenhas coloridas, pode? Também, um invento com base na pão-durice não podia ter mesmo um pingo de gramú.

Nosso Brasilzão-de-meu-Deus logo acatou a idéia e a adotou no ano de 1880; a gente comemora o dia do cartão-postal em 28/04. Os primeiros cartões-postais lançados no mundo mantinham a mesma idéia mão-de-vaca que dizem que teria inspirado o que iniciou a série. Eram monopólio estatal e vinham com selo e tudo. Aos poucos, os postais, como os apelidamos, foram liberados para as gráficas, podendo circular com o selo - que em alguns casos vem até impresso.

As fotos, essa outra invenção bacana que se alastrou no século XIX, logo se aliaram aos postais para divulgar outra mania que se consolidou nesse efervescente tempo: o turismo. As pessoas mandavam para os amigos que não podiam ir ao local-famoso-da-vez, ou remetiam para amigos distantes, para que saboreassem um pouquinho do lugar onde moravam. Com a profusão de máquinas digitais, fotos tiradas de celular, filmadoras e o escambau, ainda hoje os postais estão entre as lembranças de viagem preferidas e podem ser encontrados em toda parte, sendo inclusive disponíveis em temáticas diferentes do clássico lugar-lindo-histórico-significativo-da-região.

Hoje, os postais estão no nosso imaginário, e se você procurar, vai encontar músicas e poemas que o citam, em diversas versões e idiomas. E eu posso vê-lo ali na minha mesa e me imaginar na Rua do Giz, onde meu querido Dave Coelho esteve e se lembrou de mim. Valeu, Coelhote!

E, para vocês, um postal de Florianópolis. Com a imagem-clichê, é claro. E com carinho múltiplo!





10 comentários:

Meg disse...

Tô louca pra voltar pra casa só pra ver se o cartão do de;va chegou!
Tenho que esperar até domingo ¬¬

Luna disse...

Eu não recebi! (emoticon do travesti que joga o cabelo e faz cara de desprezo)

Mas tive uma ideia (sem acento, não me conformo). Vou mandar postais para todos. Beijo, me escreve!

Aaaaaaah, texto digníssimo!

Luna disse...

Vamos fazer uma corrente de cartões postais? Acho digno, beijos!

Meg disse...

Cartão do Pello para todo mundo!

Meg disse...

* Pellot

Dave Coelho disse...

Idéia de mandar postais pra todos?
Desculpa te comunicar, Lun;ga1, mas essa idéia foi justamente a que EU tive - e os postais ja estão a caminho de suas casinhas. paola/ awn.

Drica, brigadíssimo. Adorei as informações. E fico feliz que vc tenha gostado da Rua do Giz. Quando vc vier por aqui a gente passa lá pra tomar umas, meia miga1

bgs1

Rafaella Baracho disse...

Aim adorei a idéia tanto do Dave (posso imitá-lo e mandar para alguns amigos cartões postais??) quando a da Adriane de escrever um texto. Aliás, hoje eu estava com vontade de ler textos como esse que você fez!

=***

Fio disse...

Eu quero postais. Muitos. Pode ser um por semana.

Mas ainda vai ter um postal com todo o cast do TC com cara de desprezo. Vai virar mania nacional e nos deixará ricos, bjs

Adriane disse...

Que bom que gostaram do texto, pessoas!!!
Amay a ideia (argh, quero o acento de volta!) dos postais!
Dave, Luna, Debs e eu traçamos há tempos um plano de recuperar a função bacana dos correios, que ultimamente só têm servido pra nos mandar contas e mais contas.
Adoreu a idéia dos postais talicôsicos. Treinando minha cara de desprezo, bjs.

Nanael Soubaim disse...

Mandar postais, fazer postais para mandar... Idéias, idéias, idéias...