quarta-feira, 22 de julho de 2009

Pássaro*

Mostra-me em teu vôo
tua liberdade;
eu te mostrarei, em teus limites,
a minha prisão.
Canta sem motivo,
num dia chuvoso;
eu te mostrarei minhas lágrimas,
num dia pleno de sol.
Faz-me o desafio de ganhar o céu,
eu te responderei, da minha gaiola,
que aqui tenho, pelo menos,
comida e água.
Rebelde, em acrobacias tentas seduzir-me,
mas tenho os pensamentos presos à terra,
os pés bem plantados no poleiro.
Eu posso gritar minha mágoa
e mostrar-te que também não és livre:
teu limite é a tua asa,
o teu vôo, meu cárcere,
minha lágrima, tua culpa,
meu protesto, teu julgamento.
Vai e voa!
E mostra-me que talvez valha a pena
ter a prisão que tens.
Vai e canta!
E diz-me que teu canto é tua arma
e que meu medo é a tua alma
e que eu também posso ser
um pouco como tu és.

"O teu vôo, meu cárcere..."


* Texto da Dri, que está impossibilitada devido a vecchiaglia avançada. Esclerose múltipla ou Alzheimer são aguardados para os próximos meses.

4 comentários:

Adriane disse...

Amo você, Fio!
Com ou sem minha idade avançada... rss

Nanael Soubaim disse...

Alça teu vôo e caminha para longe, logo alí, voa um metro de Natal à Portugal. Viagem de criança que não tem idade.

Nanael Soubaim disse...

Estamos devagar, muito devagar.

Sheila Smart disse...

This image is infringing my copyright. It is NOT in the public domain and I do not allow my work to be published on blogs without my permission. Please remove immediately.

Sheila Smart