sábado, 4 de outubro de 2008

o poder do pensamento crítico

Durante quase três séculos, a Europa viveu sob o regime absolutista. Com a justificativa de que possuíam um direito divino, os Reis passavam o controle do reino para seus filhos, independentemente da capacidade destes de serem bons governantes.
Aqui no Brasil, vivemos durante muitos anos sob regime ditatorial militar, no qual não era concedido à população o direito de eleger seus governantes, nem ao menos o direito de reclamar deles. O povo era coagido a aceitar as medidas tomadas pelo governo militar.
Depois de muitas lutas, o povo brasileiro conquistou o direito de escolher seus governantes e passou a portar uma poderosa arma: o voto. Ele constitui um importante instrumento de poder popular e, atráves dele, pode-se mudar a sociedade em que vivemos. A sociedade atual não precisa de grandes conflitos armados para se fazer ouvir, só precisa usar a consciência ao ir às urnas.
Votar consciente, porém, parece ser o maior entrave democrático brasileiro. Um país onde há falta de professores na rede pública de ensino e onde uma pequena minoria tem acesso a educação de qualidade é terreno fértil para a proliferação de políticos demagogos que usam o sentimentalismo para ludibriar o povo; quando não se tem meios para desenvolver pensamento crítico, vota-se com o coração, que é facilmente enganado.
O voto é o principal meio que a população tem para promover mudanças, mas elas só acontecem quando sabe-se usá-lo corretamente. Enquanto isso não acontece, ele serve apenas como um meio de justificar a dominação dos mais ricos sob os mais pobres, assim como foi usada a teoria do direito divino na Europa absolutista.
Para que o poder do voto seja realmente válido como instrumento de transformações, é necessário que a população não se deixe enganar e analise melhor os candidatos e suas propostas. Só assim teremos uma real democracia.
***
Ah, essas foi mais uma das minhas redações pra escola que eu coloco aqui por que é o momento certo pra postá-la e por que eu tirei nota boa com ela (9,00).
Gente, votem certinho, nem que seja no menos ruim...
Pessoal de Natal, NÃO votem em quem representa todo o conservadorismo e demagogia do mundo... Não apresenta proposta e é puramente sentimentalista (a ponto de chorar em horário eleitoral, total coidipobre); quem vende sentimento, não os tem de verdade. Além disso, não votem em quem usa o preconceito velado (contra os homossexuais) para promover sua campanha, tipo no debate quando uma candidata disse "Eu sou mulheeeeeeeeeeeeer" (a outra candidata é lésbica).
Vocês sabem de quem eu estou falando...
Juízo na hora de votar, bjos.

4 comentários:

caroline disse...

uau frank adorei seu texto!!!
num sei nem o q dizer...concordo plenamente c vc

Rafaella Baracho disse...

Belo texto.

Aos natalenses como eu e Frank:
Votem em quem faz, não em quem propõe projetos inviáveis e fora do dever da prefeitura.

Gabriel Leite disse...

Ainda bem que aqui em Brasília só tem Eleição de 4 em 4 anos. Esse ano ficamos revendo JK enquanto o resto do Brasil assistia (ou não) ao horário político.

Luna disse...

Ainda bem que acabou essa história de eleição. Só eu acho que votar pra prefeito é coidipobre?