sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Só porque tenho por elas um apreço imenso



Tomei hoje um choque. Uma pancada. Enorme. Gente! Como assim o Garotas que dizem Ni vai acabar? Não estava sabendo disso... aliás, como desde quarta meu querido e adorado computador resolveu que ia me deixar na mão, só hoje fiquei sabendo de muita coisa, e pude enfim postar aqui no Talicoisa.
Como o Fio falou, o Talicoisa foi engendrado lá, no Fórum do Garotas,

portanto, é como se de repente ficássemos sem mãe. Tou até me sentindo como o Bâmbi agora, olhando pros lados e tentando entender de onde veio o tiro mortal.
Claro que elas têm seus próprios caminhos a seguir, e torço muito por vocês, meninas, do fundo do meu coração (partido, só pra dar uma pitada de drama...).
Assisti ao nascimento e fim de muitos blogs legais, divertidos e inteligentes que faziam minhas visitas à Internet valerem a pena, e o Garotas com certeza é um desses. Através de vocês, conheci pessoas imaginárias, como a Mirtes, e imaginei conhecer pessoas reais, como o pessoal aqui do Talicoisa.
No Fórum, nasceram amizades, amores, brigas, blogs e até o nascimento de pessoas foi anunciado. A gente pôde acompanhar o crescimento e a fofurice de Sabrina, escrever um amontoado de abobrinhas, ver nossos textos serem usurpados por um desses seres malignos que nada mais têm a fazer senão atrapalhar a diversão alheia, vimos o Fórum ser recriado...
Tanta coisa boa, meninas, tanta!!!
Agradeço por toda diversão que vocês nos proporcionaram, e, se vocês mudarem de idéia e preservarem o Garotas, a gente vai é fazer uma baita festa, podem ter certeza.
Dizendo Niiiiiiiiiiiiiiiii!


(* Cavaleiro que diz Ni by Playmobil. Adouro)

E a vida ficou um pouco mais triste...

Era pra participar de um MEME. Mas a vida perdeu um pouco da graça.

No dia de hoje, Clara McFly, Flá Wonka e Vivi Griswold decretaram o fim de seu blog, o Garotas que Dizem Ni.

As atividades se encerram no dia 1º de Dezembro de 2008.

Vai ter festa, semanas especiais, e etc.

Mas nada vai preencher o vazio de não ter mais o Garotas.

Já disse em outros textos, que o blog e o Fórum foram o útero do Talicoisa. Éramos 7 fãs das Garotas, que decidiram criar o seu blog.

Claro, entendo perfeitamente que é complicado. Manter um blog é difícil. Elas estão há 5 anos e 8 meses com o blog. Tem mais de 2.500 textos. E as três tem maridos, casa, e empregos pra manter. Nós, aqui, não temos uma vida tão agitada, e mesmo assim, enfrentamos dificuldades também. Entendemos a decisão delas. Só não gostamos.

A vida perdeu um pouco da graça, hoje. Para mim, que acompanho o blog e o Fórum há quase 3 anos... Era um ritual, dia sim, dia não, ir conferir o novo texto e comentar no Fórum. Reconheço o gênio de cada uma delas. Flá, Clara e Vivi. A morena, a loira e a ruiva.

São as garotas mais amadas do Brasil.

É como fim de namoro. Mas aquele namoro que deu dor de cabeça, que encheu o saco, que machucava.

Não houve feridas, durante esse relacionamento com elas. Foi sempre, só amor.

E isso que faz doer mais.

Mas somos capazes de entender. E aceitar.

E torcer que a vida sempre traga bençãos, às três. E que Deus as ilumine e abençoe. E que só traga felicidade à elas.

Uma parte da nossa vida se vai junto com esse blog. Mas vai deixar boas recordações, bons momentos. Boas coisas.

E é isso que importa.

O Amor e a Amizade continuam.

Pra sempre, Garotas.


Forever and Ever, girls.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Um Ano de TALICOISA

Eu passei uma temporada inteira sem internet e tô que não posso de saudade disso aqui. A semana especial de aniversário do Tali passou e eu nem lembrava mais que num momento de surto de cabeçudice psicopática, confundi a data do nascimento de nosso blog, e escrevi esse textículo - que habitava silenciosamente os rascunhos do nosso painel de postagens, desde a remota data de 10/09/2008. Vejamos o que foi dito...


"Hoje esse humilde blog faz UM ano de existência.

E desde seu início um tanto quanto súbito, nos acostumamos a escrever semanalmente pra divertir a nós mesmos e aos que se aventuram acessando www.tali-coisa.blogspot.com
De lá até aqui já foram 246 postagens que trataram quase diariamente dos assuntos mais variados possíveis. De religião a sexo. De Axé a Harry Potter. De insônia ao Poder do Sagrado Corcel Azul-Calcinha.
Alguns dos que começaram com a gente já saíram, mas há uma tropa permanente que se renova por aqui, obstinadamente.
Eu sinceramente espero que continuemos com essa brincadeira boa por mais e mais tempo.
Vida longa e próspera ao nosso Talicoisa.

Um ano de Talicoisa? Corceluia!"

Olha isso. Nem foi preciso que esse ano inteiro passasse pra que nós, Talicoisers, percebêssemos que mais que um blog, nós construímos amizades. Além dos textos, além das letras. AMIGOS, simplesmente.
Obrigado a todos e que venha o aniversário de 2 anos.


terça-feira, 28 de outubro de 2008

Plantão!

Pra mim, o Tali-coisa representou muitas coisas. Mas conhecer todos vocês foi a mais marcante delas. Nosso blog nasceu de uma conversa sem grandes pretensões e acabou neste sítio cheio de glamour e famoso em toda a World Wide Web. Tá, não em toda, mas em grande parte dela, podem acreditar.

De conversas totalmente sem noção em janelões, eu conheci a personalidade, o jeitinho de cada um ser. E todos são únicos, cada qual com a sua peculiaridade. E claro que eu não vou descrever cada um de vocês, porque eu demoraria dias pra isso. Vocês me conhecem, quando eu me empolgo, os textos viram tratados.

Eu só quero deixar registrado o quanto vocês foram (e ainda são, podem ter certeza) importantes na minha vida. Esse um ano de convivência mais íntima (eita, delícia!) significaram muitas risadas e amizades que levarei comigo sempre. Fico triste de não conseguir colaborar com TC da maneira que eu gostaria, mas sei que nosso filhote está em ótimas mãos na minha ausência. Eu espero que num futuro não muito distante, eu possa voltar a dividir com vocês (e com os leitores) as peripécias da minha vida e falar sobre assuntos sem importância. Porque de coisas sérias nossa vida está cheia. E o Tali-coisa nasceu com o objetivo de tornar o dia-a-dia das pessoas mais divertido. E cumpre com o seu papel muito bem, graças ao bom-humor (às vezes ácido, eu adoro!), ironia e alegria de viver de cada um de vocês.

Muito axé pra vocês!
Espero que possamos nos encontrar para tirar a foto que a Meg disse.
Porque o blog do Brasil tem o pedacinho de cada um de nós. E todos vocês têm um pedacinho da Melzinha também.

Peço perdão se atrapalhei a postagem de alguém hoje, mas não poderia deixar de dizer que amo todos vocês.

Beijocas no coração!
Melzinha

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Nem falo nada!

Gente, eu pago para não falar. Não sou comunicativa, não dou conversa para estranhos, não gosto nem de sair por aí dando bom dia ou boa tarde para qualquer pessoa. Quando, no ônibus, alguém puxa assunto comigo, encaro quase como ofensa pessoal – porque tenho que interromper meus devaneios para responder sobre o tempo, ou sobre onde fica tal lugar, ou sabe-se lá o que a pessoa invente de tagarelar.

Pior ainda não aquelas ocasiões em que a gente não tem saída. Encontrar alguém que conheça a sua família e ter que responder mil e uma perguntas sobre o pai, a mãe, o lugar onde você está morando, como vai a sua avó. Ou ir embora no mesmo ônibus que um colega de trabalho – e ficar a viagem toda, ainda que curta, falando sobre serviço.

Eu sou quieta e gosto de ser quieta. Quando eu conheço bem alguém, quando gosto da pessoa, quando estou num dia particularmente iluminado, eu falo. Demoro a sair da concha. Sou assim, e creio que não vou mudar a partir de agora.

Por tudo isso, às vezes eu me surpreendo comigo mesma. Digo que me surpreendo porque, em dados momentos, eu também sei fazer barraco. Pelos motivos mais ridículos.

Atendimento preferencial

Num supermercado, um dia desses, eu parei na fila certa. Outra moça entrou na fila do caixa onde dizia “Atendimento preferencial para idosos, gestantes e deficientes”. Não havia ninguém dessas categorias na fila. De repente, aparecem duas senhoras, e começam a bater boca com a moça, dizendo que ela deveria sair dali, que isso, que aquilo.

Tocou um sininho dentro da minha cabeça. Ora, como assim? Tudo bem, elas são mais velhas, mas nem por isso podem prescindir de educação. Fiquei ouvindo, até que resolvi meter (sem dar atenção à voz que dizia para eu calar a boca). “A senhora por acaso sabe a diferença entre atendimento preferencial e atendimento exclusivo? A placa está dizendo preferencial, vocês vão ser atendidas primeiro. Mas a moça não precisa sair daí. Só se ela quiser.” E a coisa seguiu assim, elas retrucaram, a moça não sabia onde enfiar a cara. Juro que eu queria ter um dicionário na bolsa. Juro que eu ia ler os verbetes “preferencial” e “exclusivo” em voz alta, no meio do mercado. No fim, aconteceu o que eu disse: as idosas passaram na frente. Precisavam ter armado todo esse barraco, se sabiam que seriam antendidas antes?

O caixa-rápido

Outra vez, o barraco foi no caixa-rápido. Só quem tinha no máximo dez itens podia entrar naquela fila. Eu estava lá, com o meu cestinho, quando chega um homem com um carrinho:
- Aqui é o caixa-rápido, senhor.
- Mas eu só tenho dez itens!
- Não, não tem. Tô vendo aqui que tem mais!
- Mas...
- O senhor tem que ir para outra fila.
- Mas...

Nisso chega a minha mãe, de olho arregalado e achando muito engraçado um homem de quase dois metros gaguejando na minha frente. Eu venci a batalha. O descarado foi para outra fila. Eta gente que sempre quer levar vantagem em alguma coisa! Se eu, com todo o meu poder (oi?) e força (hein?) estiver por perto, me chamem. A organizadora de filas não deixa barato!

Instinto assassino

Mas a pior de todas aconteceu num ônibus. Eu estava de pé, o ônibus parou para as pessoas descerem. Aí, me aparece um adolescente idiota (pleonasmo), empurrando todo mundo, inclusive eu. Sabem o que eu fiz? Fui atrás dele pelo corredor. Quando ele chegou na porta e se preparava para descer, dei-lhe um empurrão. O bestinha foi parar na calçada. Eu, com toda a minha força e poder – e raiva – olhei para ele e disse:

- Não queria descer primeiro? Então, desce!

Depois fiquei arrependida, achando que o guri podia ter se machucado e tal. Mas ele mereceu. Empurrou, tem que ser empurrado.

Moral da história: São várias. Ser tímida não significa levar desaforo para casa. Supermercados são um perigo. Eu sou pobre. Irremediavelmente pobre. Só pobre é capaz de bater boca em mercado e ônibus e ainda contar para todo o mundo.

sábado, 25 de outubro de 2008

Um ano de pura teMdeMsia, loosho e opulência!

Quando a Rafa me lembrou que essa semana o Tali-coisa faria um ano, senti um baque! Primeiro foi aquela sensação de impotência sentida toda vez que alguém lhe pede para descrever algo que você goste muito (como sua série favorita, sua família, ou você mesmo, para pessoas que sofrem de narcisismo). É um certo medo de que as palavras não cumpram sua função e não consigam descrever a real importância do tema proposto. É como se você tivesse coisa demais pra expressar, mas palavras de menos para fazê-lo.
Foi a partir desse baque que eu finalmente parei para refletir sobre a importância dessas pessoas na minha vida. Não que eu não desse valor a elas antes, é só que, aos poucos, elas passaram a ser uma parte efetiva da minha rotina, algo quase inconsciente.
Por isso eu queria fazer algo mais que especial para o dia de hoje, algo que superasse expectativas. Então eu comecei a cogitar como poderia ser meu texto...
Eu poderia listar as coisas que falamos todos os dias no msn, nossas loucuras e todas as teMdeMsias que surgem quase todas as semanas. Percebi, porém, que para isso eu deveria fazer um texto engraçado e, pra mim, a graça só vem com espontaneidade...
Depois pensei em definir cada um de vocês, ou o grupo, mas aí ficaria naquela mesma situação descrita no início do texto.
Quando já estava desesperado, me veio a ideia de contar a história de como nos conhecemos e tudo mais, só que não tinha levado em conta quantas vezes isso já foi feito...
Pensei tanto no Tali-coisa durante essa semana que não se como não chamei ninguém de ordinário nem falei que minha vida é uma prostituição (não em voz audível).
Comecei a refletir como o TC faz parte da minha vida cotidiana. Quer dizer, todos durante essa semana falaram de como vivemos distantes, ou de como seria bom se todos se encontrassem, mas eu vejo as coisas de uma forma diferente...
O que sempre penso é: como pessoas que moram tão distante de mim podem representar algo tão importante na minha vida?

O que surgiu foi uma amizade mesmo, esquisita, mas amizade. Apesar de nunca ter encontrado nenhum deles pessoalmente, nosso tratamento é bastante pessoal. Nossas conversas são sem hipocrisia, nos colocamos em posição de igualdade, ninguém quer se sobressair, parecer mais cool que o outro e isso, para mim, é o maior proVlema nas amizades de corpo presente. Uma palavra que resume nosso relacionamento (ui) seria humildade... é... humildade unida à siacabância!
E tipos, pode parecer total coisa de filme da Sessão da Tarde quando a mãe de alguém morre, mas o fato é que vocês podem estar distante, mas sempre os carrego comigo, onde quer que eu vá.
A cada conversa estranha que ouço no ônibus, lembro do Dave. A cada pessoa que eu vejo na rua que paga um mico (ou faz algo total coidipobre) lembro da . Toda vez que lembro algo da Meg Cabot, ou vejo o Tchan na TV, ou como pipoca Boku's com pirulito POP ( o que no NE é mais comum que rapadura e farinha), lembro da Rafa. Toda vez que alguém faz uma piada de duplo sentido, lembro do Fio. Toda vez que minha mãe lembra de algum seriado super antigo, lembro do Nanis. Sempre que coloco na TV cultura e tá passando Vila Sésamo, lembro que tem uma pessoa neste blog que se chama Elmo. E sempre que ouço alguém falando "e tal", lembro da Adriane. Quando vejo o Fera lendo aquele-filósofo-que-não-deve-ser-nomeado-pq-o-nome-dele-é-difícil-de-saber-como-escrever, lembro da Mel. Pode ser cruel, mas toda vez que lembro de alguém que desapareceu, lembro da Marina (filha, nós te amamos e ainda esperamos a sua volta, sérião!). E ainda tem a Vivi, que é lembrada toda vez que vou a coordenação (ela é pedagoga).
Claro que um dia quero encontrar com vocês dentro de um carro de campanha do Lavô para catarmos juntos "... Baby one more time" (o hino talicoisiano) na maior altura possível.
Bem que a TV poderia fazer um reality show com a gente. Além de vivermos toda a emoção talicoisiana ao vivo, seríamos pagos para isso... E esse reality show poderia ser rodado numa van (por que é coidipobre) andando pelo Brasil e poderia ser chamado de "Rodovias da siacabância" e quando fosse pôr-do-sol, iríamos "se atrepar" num corcel e cantaríamos EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEI até cansar, mais de uma hora cantando EEEEEEI. E se algum chato metido a cool viesse criticar a atração, simplesmente olharíamos com desprezo, jogaríamos o cabelo e gritaríamos Nos repeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeite, que não somos um grupo de cinco-cent, de cinco real!!!
E eu acho que é bem isso mesmo, quantas pessoas que encontramos diariamente não valem cinco real pra fazer caridade?
Mas vocês, amigos talicoisianos, são mais de mesa e
eu gossssstchu muuuuuitchu!
Tb mei migo,

tchutchutchutchutchutchu pááááááááááááááááááááááá!
***
Agora vamos deixar as besteiras de lado, abrir o vinho de garrafa de plástico e cantar comemorar um ano de TC!

Encontro


Um dia trocaremos os teclados pelas palavras, os avatares pelas caras e bocas, os janelões pelo face a face. Assim não dá para dizer "Tudo bem" quando não está.

Uma tarde em que comemoraremos o fim de meu cárcere, em minha casa, com macarrão de grano duro e molho de tomate feito na minha cozinha, com os temperos que terei plantados no jardim, com as flores.

A chuva convidará à segregação voluntária em que já nos encontraremos, para mistificar e desmitificar nossa irmandade. Porque o mito é uma figura de linguagem, o místico é a consagração da labuta e do mérito.

As gotas tamborilando no telhado inspirarão os textos vindouros do Talicoisa e blogs adjuntos, bem como as cartas que cada um escreverá de próprio punho em seu regresso.

Ensinarei artesanato, desenho, engenharia e o que mais puder compartilhar do que amealhei na forja dos anos. Alguém sairá de lá modelando hentais, estou certo de que sim.

Publicaremos algumas das centenas de phorographias que bateremos ao longo do encontro, asseguro a liberdade para confeccionar os cenários. Algumas delas publicaremos no flickr, outras no Fórum, mas a maioria ficará para nós mesmos.

Faremos um ritual corceliano para consagrar o que então poderei chamar de lar, músicas cafonas serão permitidas, até incentivadas.

Aproveitarei para apresentar uns amigos, como o meu sapiente alfaiate e minha irmã postiça, a quem já dediquei um texto no Palavra de Nanael.

No cair da noite, deixarei todos à vontade, pois durmo cedo. Mas é de rocha que que Luna e Meg vão fazer guerra de travesseiro no meio da madrugada, basta uma delas acordar. Antecedente ao alvorecer, será a minha vez, pois também acordo cedo e o dia começa com uma prece.

Quando nos despedirmos, darei a cada um uma cópia da chave da casa, para não haver cerimônias nas próximas visitas, que haverão.

Enquanto isso tudo não acontece, o amor sem interesses que nos une cuida de anular a distância. E tenho tempo para arranjar algo digno de recebê-los, tanto a casa quanto o Corcel azul calcinha que dividirá a garagem com o meu Fusca, nem que eu tenha que construir uma réplica de fibra. Filmes? Uma revista? Quem sabe...

I Congresso Universal Talicôsico

Um dia, alguns amigos se reuniram e formaram um aparentemente inofensivo blog. Entretanto, qualquer pessoa que conhecesse os segredos tântricos corcélicos da Verdade Suprema saberia que, por trás daquele título jovial, escondia-se o mais poderoso de todos os bordões jamais criados (vide História Universal Talicôsica).
Esses amigos, aos poucos, foram dominando o Universo e um dia se reuniram no I Congresso Universal Talicôsico. Este é o relato verdadeiro e cristalino de como se passaram as coisas neste que foi o evento de maior confluência sinergética de todas as Eras.
Fio, o Grande, finalmente mostrou o que realmente tem em seu coração, derramando-se de amor por todos os seres. conquistou a Garotinha Ruiva e recebe cartões do dia dos namorados em abundância (referência ao Minduim, nosso amigo Charlie Brown).
Luna, Sua Corcelidade Tântrica, atingiu o nirvana cumpadiuoxitoniano e sabe muito bem que vala muito mais que cinco reau.
Frank, o Escriba, entendeu coisas sobre a terra, o céu e o mar e descobriu o ponto de fusão de almas, sendo vencedor dos nobéis de literatura e física quântica aplicada, ao mesmo tempo.
Meg, a Aprendiz de Sacerdotisa, entrou em harmonia com sua criança interior, decretou a paz com seu cabelo e espalha sua graça e formosura pela medina afora, para alegria dos meros mortais (só para lembrar de expressões novelísticas).
Nanael Soubaim, o Mestre, de tanto bem esgrimir os vocábulos foi declarado Mestre Mosqueteiro, e sua sabedoria para apresentar ao mundo as virtudes dos automóveis clássicos o elevou à categoria de Consultor para todas as marcas que querem fazer museus, lançar modelos vintage e/ou reeditar os nobres veículos.
Dave, o Coelho, nunca mais teve probelmas de conexão e passou a postar com freqüência, e, retomando um talento que poucos tiveram a alegria de conhecer, passou a ilustrar o Talicoisa, ampliando os espaços de dominação tão alentados por todos.
Elmo, o Fosforecente, elevou sua alegria e malemolência a categoria de Oitava Arte, mudando para sempre a história desses seres cinzas e sem-graça que transitavam a seu redor e ressuscitando, para alegria de todos, o Muppet Show e Vila Sésamo.
Vivi, Melzinha e Marina, depois e muitos e muitos anos, voltaram a se reunir ao grupo, ampliando infinitamente seu poder de dominação universal.
Adriane, a Teóloga Atrasada, escreveu este texto diretamente de sua mansão no Taiti, cercada de nativos altos e saradões, ansia verdadeiramente por um encontro entre os talicôsers e está muito feliz com este nosso aniversário.
Todos aprenderam a olhar e rir com o desprezo Paola-Brachiano necessário, e tal fato foi considerado como novo pressuposto filosófico essencial ao conhecimento humano. Os talicôsers, por este feito, ganharam o Nobel da Filosofia, menção honrosa na ONU e cadeira cativa nas principais universidades européias.
Beijos, amo vocês todos... awnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Uma(s) declaração(ões) de amor

Embora seja um pouco monotemático...

Luna: Você é luz, é raio, estrela e luar... Manhã de Sol, meu iá-iá, meu iô-iô. Poucas foram as vezes em que eu não entrei na internet de mau humor, e não melhorei ao falar com você. Você anima a minha vida (e a de todos do TC). Você é um raio de sol, em manhãs escuras. Você é uma luz, que guia essas mentes insanas à insanidades maiores ainda. E sem perigo. Sem perigo de a gente se perder. Melhor dizendo: você nos leva à loucura, mas à uma loucura que nos embriaga, e nos faz esquecer do mundo lá fora. Não dá ressaca, e nos mantém sãos. Nos mantém vivos. Eu te amo, Luna.

MEG: Só tem uma palavra pra te definir: Alegria. Pura. Simples. Sem frescuras. NUNCA vi você (literalmente) chateada, triste, amuada. NUNCA. E isso que te faz tão maravilhosa. Isso que te faz casar (oi?) tão bem com a Luna. Isso que te faz tão incrível. Isso que te faz tão linda. O Pelô não seria o mesmo se não houvesse você aí. Cumpádi não teria o mesmo significado sem você. QUIBE não teria a mesma importância sem você. O MUNDO não teria a mesma importância sem você. Eu te amo, MEG.
Dave Coelho: Já disse várias vezes que eu te amo, cara. Mas talvez você não tenha entendido. Talvez nem tenha levado à sério. Mas eu te amo. Você é quase uma "alma gêmea" minha. É sempre um prazer conversar com você. É sempre bom sacanear a Luna e a MEG com você. É sempre bom discutir sobre História, sobre Filosofia, ou sobre Deus com você. Só rezo à Deus que você não se renda ao idiotismo acadêmico. E se mantenha sempre a pessoa maravilhosa e aberta que você é. Eu te amo, Dave Coelho.

Adriane: Você tem uma graça e uma leveza que poucas pessoas são capazes de perceber. Tem um frescor juvenil, ainda que não seja mais "mocinha". Tem um coração maior que você mesma, e tem um calor que poucos homens seriam capazes de apaziguar. Tem uma beleza diferente, não óbvia. Mas que encanta. Se o teu coração ainda te faz sofrer, é porque você ainda não conseguiu entender ele. Mesmo com tudo aquilo que você sabe. Mesmo com todo o conhecimento que você tem. Porque o coração não é feito de conhecimento, Adri. É feito de emoção. Aprenda a conversar com ele. Mas mesmo assim... Eu te amo, Adriane.

Frank: Eu vou ser sincero: Eu não ia muito com a sua cara. Não gostava muito de você. Pra mim, você via a vida de uma forma cor-de-rosa e alegre demais. Ou então, fútil demais. Mas hoje eu entendo. E vejo que você é um reflexo daquilo que eu era, antes de me perder em desilusões, em medos e em falta de amor (aos outros e próprio). Você é o que eu era. E rezo aos Deuses que você não siga pelo mesmo caminho. Porque no fundo, o que você vive, meu querido, é o que realmente vale a pena. E por tudo isso, por ser quem eu era, Frank, eu te amo.

Nanael Soubaim: O amor por você não é Eros. Nem Philos, apesar de te amar como um irmão. O amor por você é Ágape, meu querido. Nós sabemos como o mundo anda. Sabemos os mecanismos. Sabemos onde estão as engrenagens quebradas. Aonde estão os parafusos soltos. E trabalhamos por isso. E trabalhamos pra por a "maquina" nos eixos. E por Deus, meu irmão... Eu te amo, Nanael Soubaim. Por toda a eternidade.

Elmo: É incrível como você faz todos se sentirem bem. Não usa seus problemas para atrair compaixão. Não usa seu charme pra encantar. Não usa sua beleza pra seduzir. Você é o que é, e é maravilhoso por isso mesmo. Não apenas eu, mas todos nós te amamos, meu amigo. Eu te amo, cara, por ser uma pessoa incrível. Sem fazer força. Sem esperar holofotes. Sem esperar nada. Por si só, você é incrível e maravilhoso. E por tudo isso, eu te amo, Elmo.

Minha vida, literalmente, mudou pouca coisa, desde que o Talicoisa começou, um ano atrás. Mas eu posso dizer, com todo esse amor, e com toda essa "família" que eu ganhei, que tudo, ao menos, ficou mais divertido.

Amo todos vocês, de forma igual. Amo inclusive os que nos deixaram, mas ainda assim, eu amo: Amo vocês, Melzinha, Vivi e Marina.

E parabéns ao Talicoisa. Um ano de vida.

Luna diz: Tchu-tchu-tchu-pá!



E um dia estaremos nós todos, em Paris, tomando café e desprezando o mundo.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

No futuro!

Algum dia eu irei encontrar vocês. É o meu item número um na “lista de coisas a fazer antes de morrer” (tá, eu não tenho uma lista dessas, mas se tivesse com certeza o primeiro item seria esse). Não faço a mínima idéia de como (e quando) vai ser esse dia, a única certeza que tenho é que eu vou ficar rindo sem parar, tipo um sorriso sem motivo aparente. Aliás, só de pensar nisso eu já sorrio – coisa de gente não muito normal...

A gente vai fazer todas aquelas coisas que a Luna contou no texto dela e mais algumas outras insanidades, por exemplo, eu sou a favor de filmarmos Laços de Magia (por que não, minha gente? Provavelmente seria melhor do que quase todos os filmes nacionais já lançados). Também acho digno fazermos um cover do É o Tchan no meio do Pelô, eu e Luna invocaremos toda a abundância de Carla e Débora Brasil (somos partidários do É o Tchan em sua formação... Hã... Clássica), Fio pode ser o Beto Jamaica, e para o Cumpádi eu indico o Frank, ele é mais sicabantchy pra esses negócios de axé.

Eu vou deixar o Fio apertar minhas bochechas, eu vou conversar com a Déb e com o Fábio sobre produtos para cabelo, eu e Adriane iremos imitar a risada-Paola Bracho até atingirmos o nível de desprezo necessário, eu vou poder chamar o Frank de Franj e discutir com ele sobre todas as celebridades possíveis, vou ao cinema com o Dave e se alguém deixar o celular tocar no meio do filme, vou gritar “desliga essa piroca, ordinário” (me vingando para sempre desse povo que bota o créu como ringtone), iremos todos nos sentar em um bar qualquer e talvez eu vire umas Smirnoffs com a Melzinha...Só sei que no fim do dia, iríamos passear no Corcel – o Nanael dirigindo e o pôr-do-sol ofuscando nossos olhos.


Aguardo ansiosamente por uma foto nossa ;)

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Nós

Um dia, eu quero conhecer todo o pessoal do Talicoisa. Reunir toda a beesharada e fazer coisas sem sentido, porque todos nós temos problemas mentais.

Já conheci o Fio e o Fabio. Tirando as constantes dores nas costas do Fio, a canseira de subir e descer as ladeiras da Vila Madalena e a falta da Meg, tudo foi puro glamour. E nem poderia ser diferente, já que marcamos de nos encontrar com o Fabio na Rua Purpurina e ficamos mais de uma hora... esperando por ele, que queria nos levar a uma pizzaria que nem existe mais. Também nos esquecemos de gritar “Todo mundo remando na piroca havaiana!” no MASP, mas faremos isso, quando o povo todo se reunir. Com direito a filmagem! Pode filmar no MASP? Whatever, qualquer lugar serve.

Outra coisa que nós temos que fazer, de qualquer jeito, é recitar todas as falas do vídeo do velho no metrô. Fico imaginando a cara das pessoas, quando eu gritar que a minha vida é uma prostituição. E quando Dave disser que eu fiquei mais de uma hora... fazendo vocês sabem o quê. A voz do Dave é bem parecida com a do velho, vai ser um arraso. Ainda bem que ele está sem Internet, senão iria me xingar, por eu ter dito isso.

A vida jamais terá sentido, enquanto não nos juntarmos para assistir a todos os filmes de Harry Potter e do Senhor dos Anéis, com direito a muita pipoca, doce, refrigerante e gargalhadas. Sim, porque a gente nem precisa prestar (muita) atenção aos filmes, né? O importante é a bagunça e a emoção de ver Snape e Gollum.

Falando em filmes, quando lançarem o tal filme pornô do Cumpádi Uóxinton, nós temos que fazer uma festa. A Festa do Quibe, com trilha sonora de axé e gente dançando na boquinha da garrafa. Não, essa parte é melhor deixar de lado. Vai que alguém se desiquilibra. Deve ser embaraçoso ter que explicar o que aconteceu, no Pronto Socorro. Ficaremos só com o embaraço de ver um filme pornográfico em grupo, mesmo. Se sobrevivermos a isso, podemos fazer um debate acadêmico (oi?) sobre toda a filosofia cumpadiana.

A gente precisa dançar no Pelô, ir a uma feira de carros antigos com o Nanael, tirar fotos num corcel azul-calcinha, imitar o emoticon do travesti, comer pinhão, pequi, acarajé e arroz de cuxá.

Diabo de país imenso, que não nos deixa concretizar nossos planos mais malucos. Se morássemos num daqueles paisinhos da Europa, já teríamos feito tudo isso e muito mais. Mas aí não seríamos nós. Como diz Dave Coelho, o Talicoisa é o blog que virou Brasil.

Nós moramos longe, um em cada canto do Brasil. Geograficamente, estamos distantes, mas cada um de vocês está muito perto de mim, num lugar para onde não tem promoção da Gol, nem entra qualquer um. Aqui mesmo, dentro do meu coração.

domingo, 19 de outubro de 2008

Eu podia tá robano, eu podia tá matano...

Eu podia ter humilhado verbalmente uma pessoa que me desagradou, mas preferi ser elegante e perdoá-la.
Mentira, eu fiquei fula da minha vida e escrevi um longo relatório contra a figura e protocolei no setor específico. E, por incrível que pareça, deu resultado.

Eu podia ter esganado a mãe de uma aluna minha que disse que a filhinha preciosa dela me acha muito chata e que a Secretaria de Educação precisava saber disso, mas simplesmente fingi não ouvir.
Mentira, eu olhei para ela com cara de "Paola Bracho te despreza" e disse: " eu não sou para para ser simpática, senhora, sou paga para ensinar". Adouro.

Eu podia esculhambar um bando de idiotas que invadiu meu bloguinho e o encheu de falsos recados e propagandas de sites pornô, mas preferi simplesmente apenas ir apagando as mensagens.
Mentira, além disso, ainda escrevi um lindo texto em homengagem às adoráveis criaturas.

Eu podia ser uma pessoa com "síndrome perseguitória" (Luna e Fio, essa é pra vocês! :D) e ficar arrumando briga em fóruns e sites, mas eu prefiro fingir que não ligo.
Mentira, eu fico fula da vida e até que adoraria exercitar toda minha verve contra essas pessoas, mas ando é com preguiça disso. Além do mais, a maioria dessas pessoas sequer sabe o que é "verve".

Eu podia ter escrito quinta, mas eu tava muito ocupada resolvendo problemas importantíssimos.
Mentira, eu tava me dando uma bela folga, pois tinha direito a ela, conquistei-a trabalhando nas eleições e tava mesmo precisando relaxar.

Eu podia ter escrito um texto de encheção de lingüiça, e foi bem isso que acabei fazendo...

sábado, 18 de outubro de 2008

Oi?

Ah, ótimo! Como se não bastasse eu ter que acordar cedo no SÁBADO para assistir a uma aula de Física quântica, tenho de ouvir esse discurso da minha mãe sobre como aproveitar melhor meu tempo... Quer dizer, esse é meu maior problema desde, tipo, sempre... Me identifiquei total com o último texto da Rafa por que eu faço exatamente tudo aquilo que ela fala.
Mas a proposta da minha mãe foi péssima, quer dizer, ela propôs que eu lesse revistas de atualidades no ônibus. Tudo bem, não se faz nada no ônibus e o tempo que se passa nele pode ser muito bem aproveitado... Mas eu JÁ faço isso, mas não necessariamente para o bem... Quer dizer, o tempo que se passa no ônibus é meio que sagrado, nele não se pode fazer nada de aborrecido, pois a situação já é aborrecida...
o ônibus serve para
1- ler
2- ouvir música (mas isso é um tanto ruim por que cê tem de se controlar para não cantar alto quando começa a tocar Coldplay)
3- ouvir conversa dos outros e formular opiniões sobre os assuntos propostos (tipo um Casos de Família, só que ao vivo e sem a classe da Regina Volpato)

Só que o que minha mãe propôs foi ler coisas DIDÁTICAS... Daí eu falei "Não tem como se concentrar em nada quando se estar balançando pra todo lado e a senhora da cadeira de trás conta pra uma desconhecida tudo o que o marido dela apronta", daí ela falou "mas você leu praticamente toda a coleção do Harry Potter no caminho da escola pra casa"...
Mas peraí, é bem diferente, tipos, QUEM APRENDE ALGO NUM ÔNIBUS?????????? Tudo bem, é preciso um mínimo de concentração pra acompanhar o enredo de qualquer livro, mas você não precisa decorar nem absorver TUDO o que tá ali... Sem contar que um bom best-seller é bem mais agradável... Tipos, na situação geopolítica mundial ninguém sai por aí soltando feitiços nos outros em batalhas épicas e com algum sentido plausível... Nem muito menos tem garotos ricos que passam o dia fumando maconha e arrumando confusão como em Gossip Girl (tá, isso até que tem, mas não de uma forma divertida)...
A única coisa que aprendi lendo no ônibus foi aquela coisa toda com aquele rei da Inglaterra que criou a igreja anglicana... Mas peraí, esse episódio da história daria um ótimo episódio de One tree hill...
Sem contar que essa história é contada por uma série de Best-sellers que até FILME virou... Embarcando nessa onda, na próxima semana, contarei aqui a história do riquinho mimado rei da Inglaterra e sua saga por um filho homem...

***
Update: que texto mais sem sentido!
Updat2: gente, pra salvar o fim de semana de vocês!
http://www.youtube.com/watch?v=35dx3H9_bjA
Numsupuórto a Katy, mas adorei a queda!

Os cunhados de Lady Sith

Dart Vader. Lorde das trevas, mestre dos sortilégios e um vendedor de bugigangas de tirar o chapéu.

Engana-se quem pensou que Anakin acabou no "The End", findadas as filmagens a vida continuou. Então voltou aos dramas pessoais, os espinhos da família que sua esposa, Lady Patrícia, a Sith, se esforça para manter fora dos muros do palácio. Já quem nem a sapiência de Yoda os fez ver a luz da força.

Dart Vader tem três irmãos, só um freqüenta sua casa, os dois malas ele faz questão de não lembrar que existem. Por isso mesmo foram banidos para um planeta-manicômio.

Dart Charger RT. Este é o cunhado que Lady Sith chama de irmão postiço. Forte, bonito, prestativo e babá de Luck e Léia, quando eram crianças. Quando os dois começavam a chorar, o casal nem se levantada, pois sabia que Charger RT cuidaria do caso. E cuidava. De 0 a 100 em menos de um segundo, logo os petizes estavam rindo para dormir em seguida. Fora quando estavam preparando a Estrela da Morte para o último episódio da série, e um dos malas deixou o motor anti-matéria apagar. Yoda evitou um linchamento, afirmando que "causado problema simples é, chamar Dart Charger RT vão e resolver vai ele". Pois o danado resolveu a questão, na falta de um motor, ele colocou o seu próprio no lugar e a Estrela da Morte bateu recordes de velocidade. Gente finíssima esse Charger RT.

Dart Vadier. Foi este o mala que apagou o motor da estrela da Morte. Como? Ninguém sabe, já que ele não tem partes móveis. Mas ele conseguiu! Lembram da cidade nas árvores dos ewoks? Era para ser de alumínio transparente, que eles tinham comprado por uma pechincha de Jornada nas Estrelas. Mas quem ficou responsável pelo transporte do material, após fedelhar até Lady Sith arrancar os cabelos? O Vadier. Pois o safado parou num bordéu à beira de um buraco negro e não ligou o conversor de gravidade da nave, que assim foi sugada para a singularidade enquanto ele fazia danuras com criaturas que nem mesmo os jedis conheciam até então. Que Cicciolina o quê! O que ele aprontou com aqueles alienígenas nem pode ser descrito com palavras, e se pudesse eu não descreveria que isto aqui é um blog de família. Por isso a cidade foi feita às pressas, de palha, em cima de árvores, com o green peace galático azucrinando, alegando que a área era santuário de nidificação do raro los-los-croog de pêlo curto. Fora o licenciamento ambiental para extrair a palha nativa. Vadier foi banido para a Terra, onde trocou de nome e hoje é deputado federal.

Dart Viader. Não era para ser assim. Lady Sith sempre foi tolerante com a sexualidade alheia, tem uma serviçal com dezesseis sexos diferentes. Mas tentar sodomizar seu enteado foi demais. Viader insistia em afirmar que "Luck precisa sair do armário, conhecer o lado pink da força, meu bem". Fora ter tentado se engraçar para o lado do Hanz Solo, bem na frente de Léia. Acham pouco? Por que acham que Palpatine Andava daquele jeito? O coitado foi pêgo dormindo e vitimado pelo marsupial gigante de estimação de Dart Viader, bicho que este dizia ser seu consolador "espiritual". O mala acha que todo mundo é e quem não assume é hipócrita. Chegou a organizar um levante contra os éteros, até que o próprio Dart Vader deu... que dizer, impôs um basta e o baniu para a Terra. Hoje ele ganha a vida em boates de quinta, e freqüenta eventos de cosplayers.

Pois é, macacada, não existe final feliz. Quando o director diz "corta, valeu", os personagens enfrentam aventuras muito mais perigosas na vida real. Aguardem a Branca de Neve.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

And yet, life goes on...

Todas as Bolsas de Valores do mundo inteiro, estão em crise. A Recessão assombra todos os governos. Mas ainda assim, a vida continua.

O Efeito Estufa está destruindo a camada de ozônio, e fazendo com que o planeta se aqueça. E está ameaçando tudo. Mas ainda assim, a vida continua.

Dave Coelho está sem computador. Logo, não pode escrever seus maravilhosos textos no Talicoisa. E também não pode participar dos janelões no MSN. Mas ainda assim, a vida continua.

Adriane venceu algumas dificuldades. Está feliz como pinto no lixo. Se sente bem, tranquila e sossegada. Mas ainda assim, a vida continua.

Clara McFly, do Garotas que Dizem Ni, assassinou sua lombriga de estimação, Catarina. Mas ainda assim, a vida continua.

MEG, nossa Cinderela Baiana, acha que tem problemas mentais. Acha que vai perder o juízo. Se é que já não perdeu. Mas ainda assim, a vida continua.

Nanael Soubaim passou muito tempo fora da internet. Sem contato conosco. Mas ainda assim, a vida continua.

Um dia vamos morrer todos. Mas ainda assim, a vida continua.

Eu não sei mais o que escrever. O Talicoisa está se aproximando do seu 1º aniversário. Precisamos bolar o que fazer pra essa comemoração. Mas ainda assim, a vida continua.

A "garotinha ruiva" está trabalhando hoje. Mas ainda assim, a vida continua.

E vai continuar, sempre. Independente de mim, ou de você.

Basta seguir as instruções.


São simples. É só não fazer besteira.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Eu tenho problemas mentais

*Hoje eu acordei com dor no pescoço, só por isso já acho que estou com alguma doença horrível tipo meningite ou qualquer coisa pior.

*Ao invés de estudar (e em menos de um mês eu terei as últimas provas da faculdade, os trabalhos todos de lá, e um outro vestibular – minha meta é enriquecer a UFBA com o dinheiro da inscrição) eu fico assistindo clipes de músicas que eu gostava quando era criança: How Bizarre (ninguém lembra disso), Uh la la la (essa cantora sumiu), todos os hits das Spice Girls, e por aí vai. Até Macarena eu já assisti, alguém me socorre!!

*Eu tenho prova oral (conhecida como Palco da Fama) de Ética na terça-feira, e hoje passei a aula inteira lendo um livro totalmente nada a ver com o assunto... Sendo que eu até já sonhei que no dia do Palco da Fama eu chegava lá sem saber nada e era uma histeria toda, ou seja, bem capaz de ser uma premonição e eu aqui, jogando tetris compulsivamente no videogamezinho que comprei nas Americanas (R$14,99. O próximo – eu já jurei - vai ser um Nintendo DS).

*Criei um fake potteriano no Orkut. Ainda bem que não fiz isso sozinha. Hééé!

*Ainda insisto em fazer os testes do IGirl: Qual filme romântico mais combina com você? (Bridget Jones)/ Você é sexy? (Sexy chique)/ Qual filme do Oscar é você? (Sideways)/ Que vilão você é? (Lex Luthor)/ Qual cantor baiano você é? (Daniela Mercury)/ Que Barbie você é? (Barbie divorciada)...

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Cantando junto

Não é legal, quando a gente assiste a um filme e tem vontade de sair cantando e dançando (menos!) junto com os personagens? Quem não tem as suas cenas musicais favoritas, daquelas que a gente quer ver over and over again?

Se eu pudesse escolher só cinco, as minhas seriam:

1. It ain't me babe, de Walk the line



2. Pop! Goes my heart, de Letra & Música



3. Tiny Dancer, de Quase Famosos



4. Moon River, de Bonequinha de Luxo



5. Twist and Shout, de Curtindo a vida adoidado

sábado, 11 de outubro de 2008

Reciclasa

Finalmente tenho internet de novo, embora não ainda em meu computador. Mas vamos lá.
Um assunto assaz agradável para mim é falar de casa. Planos, sonhos, perspectivas e tudo mais. Nossa amiga Marina-some-some, que eu sei que anda lendo anonimamente, vai me dar razão: uma casa que tem o suor e a criatividade de seus donos, tem mais chances de se tornar um lar.
Acontece que dinheiro ainda não cai do céu, e casas costumam demandar uma gaita legal para sair do papel. E mesmo para entrar no papel, o arquiteto cobra uma nota. Por isto mesmo planejo, quando for construir, usar material reaproveitado. Eles já foram expostos às interpéries, então as energias (por assim dizer) ruins já foram recicladas pelos elementos. Bicho, o que tem de baratinho dando sopa por aí não é mole! Uma certa igreja polêmica, em um de seus templos, chegou a jogar enormes placas de mármore fora, só porque tinham pequenas falhas em uma ou duas pontas. Dava para marmorizar uma cozinha inteira.
Este foi o exemplo mais contundente de desperdício que eu já presenciei, mas outros menores, mas não muito, se dão todos os dias pelo mundo todo. O Brasil não tinha mesmo como ser excessão.
Por ainda não ter meu lote, não tenho onde armazenar o material que encontro, mas asseguro que é cousa fina. São azulejos, branquelejos, amarelejos, decoradejos, vigas, pilares, postes de concreto, portas, tijolos maciços, enfim; é material para dar com pau. Dá para construir um muquifo batuta. Não, não estou delirando (desta vez) muita gente faz isso. Na verdade, daria até para ousar com materiais e projectos mais arrojados ou inusitados. Exemplo: usar vidros da Kombi no banheiro. Vidros automotivos são muito mais grossos e resistentes do que a regra do mercado de construção, e em um desmanche se acha por uma bagatela. Pneus empilhados e revestidos com lona como banquinhos, pneu descartado vocês todos já viram aos borbotões. Pneus no alicerce, preenchidos com terra e pedra, asseguro que a durabilidade é para arqueólogo algum botar defeito, sem contar que torna mais fácil um eventual reparo. Refletores de faróis como luminárias, óbvio. Umas geladeiras sucateadas forneceriam muita material para isolamento térmico e acústico. Enfim, a lista não teria limites.
A minha casa, pretendo fazer no estilo da prefeitura de Blumenau, a mais bela do país na minha opinião. Plantarei um jardim de flores e ervas na frente, no quintal haverá ao menos uma árvore frutífera, grama em vez de cimento e uma piscina, quem sabe aproveitada de uma caçamba de caminhão. Por dentro será tudo arregaladamente germânico, inclusive nas latas de biscoito enfeitando a cozinha. E já que boa parte do material sairá das ruas, serão cinco suítes, três no segundo pavimento, para não haver problemas quando os mostrinhos que terei trouxerem os amigos para dormirem em casa, ou quando a patota do Talicoisa quiser conhecer Goiânia sem gastar com hospedagem.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

MAD, deuses contemporâneos e talicoisa

Estamos vivenciando um momento de crise econômica. O que mais se vê são governos desesperados para salvar bancos, ou notícias relatando isto, jornais rementendo à grande cirse de 1929, e por aí a fora. Quanto mais ouço tais palavras, mais tenho a ligeira impressão de que são os próprios bancos e instuições financeiras que provocam tudo isso, apenas para que todos nós acreditemos o quanto são importantes.
São os Moloques de nossa época, fazendo crer ao povo que é preciso sacrificar vidas à sua ira, e, para que todos não pereçam, alguns têm de ser sacrificados. E esses alguns são os símplices, como dizem as escrituras. Sim, sacrifiquemos o saneamento básico, a habitação, a educação, para salvar o Mercado e seus baalins (*).
É por essas e outra que faço uma listinha abaixo, um pouco também em homenagem à MAD, minha revista preferida, mostrando as frases ditas nesse sentido e o que eu ouço delas.

O que dizem...
O Mercado está nervoso
O que ouço...
Alguém está querendo mais lucro

O que dizem...
O índice de confiabilidade no Brasil diminuiu X por cento
O que ouço...
Vamos é botar a culpa nesse povinho, mesmo

O que dizem...
Todos têm que fazer sua cota de sacrifício
O que ouço...
Todos os OUTROS, é claro

O que dizem...
Os governos devem obedecer à Lei de Responsabilidade Fiscal
O que ouço...
Mas isso não inclui o alto salário do Legislativo, Executivo e Judiciário nem os nossos lucros


O que dizem...
Temos de apertar os cintos
O que ouço...
Nós quem, cara-pálida?

O que dizem...
O povo tem que entender que nem tudo depende do governo
O que ouço...
Só os altos lucros dos bancos e afins

O que dizem...
A Sociedade Civil Organizada tem que encontrar seus meios de atuação
O que ouço...
Vocês que se virem!

O que dizem...
As grandes empresas têm muito que ensinar aos governos e à gestão pública
O que ouço...
Principalmente a arte de obter auxílio fingindo não o fazer

O que dizem...
A Livre Economia é o melhor caminho
O que ouço...
Mas nossos subsídios ninguém tasca!

(*) Baalins é o nome dado pelos hebreus aos diversos ídolos dos povos que habitavam a região que hoje compreende Líbano, Palestina, Israel e adjacências, do qual o mais importante era o deus Baal. Moloque é o deus ao qual se atribuíam sacrifícios humanos, em especial crianças.

"Oh, Mister Crowley..."

Assim Ozzy Osbourne canta, na música "Mr. Crowley", conhecida por praticamente todos os seus fãs.

Agora vem a questão: QUEM sabe à quem Ozzy se referia?

Alguns, que tem algum conhecimento à mais, vão dizer "O Raul (Seixas) fala dele em 'Sociedade Alternativa'!".

Sim. O Raul diz: "O número 666 chama-se 'Alastra Crólei'!(sic)".

Tá... Que mais?

Nada, né?

Enfim...

Tanto Ozzy quanto Raul se referiam à Edward Aleister Crowley (1875 - 1947), um ocultista inglês que dizia ser a própria Besta do Apocalipse.




A Besta.


Crowley fez parte de várias seitas secretas, entre elas, a Golden Dawn (ou Aurora Dourada), a O.T.O. (Ordo Templi Orientis, ordem que se auto-proclamava legítima herdeira dos Cavaleiros Templários) e a Astrum Argentum, fundada por ele mesmo, que seguia a Lei de Thelema, criada por ele mesmo, de onde veio o "Faz o que tu queres", depois usado pelo Raul.

Ele deixou uma imagem bem negativa, em tudo o que fez. Há relatos de colegas, e mesmo de seguidores da Astrum Argentum, que dizem que ele era, realmente, o Mal encarnado.


Crowley, na Golden Dawn



Diz-se, por exemplo, que ele, para provar que um gato tinha 9 vidas (no folclore saxão, são 9, ao invés de 7, que estamos acostumados por aqui) ele deu arsênico, clorofórmio, pendurou sobre um bico de gás, esfaqueou, cortou a garganta, esmagou o crânio, queimou, afogou e atirou pela janela o pobre bichano. Super gente boa, né?

Além do que, era um ninfomaníaco (praticava orgias com seus adeptos, fossem homens ou mulheres), viciado em drogas e bebidas.

Inventou um baralho de Tarô, e escreveu vários livros. Pintou quadros, e viajou meio mundo.

Tá. O cara era tão do mal, e ainda assim, o Ozzy e o Raul pagavam pau pro cara?

Precisamente. O ponto nevrálgico da questão é que, apesar de tudo isso, Crowley foi, para alguns ocultistas, um gênio. Seja por conta de sua produção literária, seja pela criação da Astrum Argentum, seja pela "criação" da Lei de Thelema, seja pela sua pesquisa na magia sexual, e N assuntos ligados ao Ocultismo.

Na música "Mr. Crowley", Ozzy diz:

"
Mr. Crowley, what went on in your head
Ohhhh Mr. Crowley, did you talk with the dead
Your life style to me seemed so tragic
With the thrill of it all
You fooled all the people with magic
You waited on Satan's call
Mr. Charming, did you think you were pure
Mr. Alarming, in nocturnal rapport
Uncovering things that were sacred manifest on this Earth
Conceived in the eye of a secret
And they scattered the afterbirth"

Os versos em negrito dizem mais ou menos o que Crowley fez. Ele, como dizia ser a Besta Bíblica, esperava o chamado de Satã, que nunca veio (ele morreu numa prisão italiana, arfando, e viciado em heroína).
Mas "descobriu coisas que eram sagradas", e isso que fez ele ser tão popular. No bom como no mau sentido.

Ozzy canta no final: "I wanna know what you meant"

Porque, basicamente como tudo referente ao Ocultismo, não se pode compreender de forma objetiva. Quase tudo precisa de estudo e reflexão.
Para a grande maioria das pessoas, ligadas ainda ao maniqueísmo judaico cristão, ele realmente era o Mal.


Vem com o Titio Crowley...


O Raul, como muitos fãs sabem, estudava ocultismo, junto com Paulo Coelho. No tempo da Grã Ordem Kavernista.

Agora, sabendo a o que o Ozzy se referia, diga de novo, ao ouvir "Mr. Crowley": Cara, essa música é linda!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Botaram Leo Kret lá!

Alecsandro de Souza Santos, também conhecido como Leo Kret (do Brasil) terminou em quarto lugar na disputa por uma vaga na Câmara de Vereadores de Salvador. Figura carimbada no meio pagodístico soteropolitano, Leo causou furor desde que começou sua campanha... Eu já falei tanto desta criatura que até acabei encontrando-a na rua. Não, eu não votei nela, mas mais de doze mil pessoas votaram.

As propostas (não, nada de silicone via SUS):

No total, são 24 defesas e propostas. Nada que seja tosco, e dá pra ver clicando AQUI.

A repercussão:

Leo diz que é vereadora, não vai se vestir como homem e vai usar o banheiro feminino...
“Como eu sou feminina, é assim que o povo me elegeu, é assim que eu quero ficar”, disse. E continua: “Mas pode deixar que vou ficar bem-vestida. Vou usar um tailler, blazerzinho, scarpin todo fechado, cabelinho amarrado”.

Para completar, disse que seu nome de gabinete será mesmo Leo Kret. E de onde vem o apelido? “Foi um amigo meu que colocou. Mas de onde vem, adivinha, amiga. É porque quando eu danço, faço caras e bocas, é a minha sensualidade... cretina, entendeu? Todas temos um pouco de cretina, não é?”

Embora Leo Kret do Brasil afirme que representa a população GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros) e prometa mergulhar na luta pela criminalização da homofobia – projeto que está engavetado na Câmara desde 1997 –, um dos precursores dos direitos dos homossexuais, o antropólogo Luiz Mott, fez críticas à sua candidatura. Mott não foi encontrado para comentar o fato, mas para Leo Kret as críticas advêm do fato de o antropólogo ter apoiado o atual presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB), Marcelo Cerqueira (PV), que não foi eleito.

“Eu fiquei muito triste, amiga... nem deu tempo para pedir apoio, porque eles meteram o pau na minha candidatura”. E, agora, mágoa? “Não! A humildade é o segredo do sucesso!”

Para uma das coordenadoras da Associação dos Travestis de Salvador (Atras), Keila Simpson, a candidatura de Kret não se originou da militância gay. Porém, caberá agora, à militância, aproximar-se dela. “Só o fato de ela ser eleita já é avanço significativo em Salvador, é um passo contra o preconceito”, diz.
- Retirado do Jornal A Tarde –

Representando outra vertente do pagode, Netinho (aquele da COHAB no maior astral), foi o 3º vereador mais votado em São Paulo. Pelo menos a Cretina não bateu em mulher, não bateu em repórter, não é mesmo, minha gente? Me consola saber que esse tipo de tosqueira não acontece só por aqui. E agora, se menos nem mais, veja a nova vereadora de Salvador quebrando tudo... Como diz o vocalista da banda em que ela dança: Arrasa, viado!
video

sábado, 4 de outubro de 2008

o poder do pensamento crítico

Durante quase três séculos, a Europa viveu sob o regime absolutista. Com a justificativa de que possuíam um direito divino, os Reis passavam o controle do reino para seus filhos, independentemente da capacidade destes de serem bons governantes.
Aqui no Brasil, vivemos durante muitos anos sob regime ditatorial militar, no qual não era concedido à população o direito de eleger seus governantes, nem ao menos o direito de reclamar deles. O povo era coagido a aceitar as medidas tomadas pelo governo militar.
Depois de muitas lutas, o povo brasileiro conquistou o direito de escolher seus governantes e passou a portar uma poderosa arma: o voto. Ele constitui um importante instrumento de poder popular e, atráves dele, pode-se mudar a sociedade em que vivemos. A sociedade atual não precisa de grandes conflitos armados para se fazer ouvir, só precisa usar a consciência ao ir às urnas.
Votar consciente, porém, parece ser o maior entrave democrático brasileiro. Um país onde há falta de professores na rede pública de ensino e onde uma pequena minoria tem acesso a educação de qualidade é terreno fértil para a proliferação de políticos demagogos que usam o sentimentalismo para ludibriar o povo; quando não se tem meios para desenvolver pensamento crítico, vota-se com o coração, que é facilmente enganado.
O voto é o principal meio que a população tem para promover mudanças, mas elas só acontecem quando sabe-se usá-lo corretamente. Enquanto isso não acontece, ele serve apenas como um meio de justificar a dominação dos mais ricos sob os mais pobres, assim como foi usada a teoria do direito divino na Europa absolutista.
Para que o poder do voto seja realmente válido como instrumento de transformações, é necessário que a população não se deixe enganar e analise melhor os candidatos e suas propostas. Só assim teremos uma real democracia.
***
Ah, essas foi mais uma das minhas redações pra escola que eu coloco aqui por que é o momento certo pra postá-la e por que eu tirei nota boa com ela (9,00).
Gente, votem certinho, nem que seja no menos ruim...
Pessoal de Natal, NÃO votem em quem representa todo o conservadorismo e demagogia do mundo... Não apresenta proposta e é puramente sentimentalista (a ponto de chorar em horário eleitoral, total coidipobre); quem vende sentimento, não os tem de verdade. Além disso, não votem em quem usa o preconceito velado (contra os homossexuais) para promover sua campanha, tipo no debate quando uma candidata disse "Eu sou mulheeeeeeeeeeeeer" (a outra candidata é lésbica).
Vocês sabem de quem eu estou falando...
Juízo na hora de votar, bjos.

Pois é

Pois é, patota, ainda estou sem rede.
Minha irmã fez a asneira de assinar um contracto de fidelidade e, para piorar, só a maldita empresa em questão tem linha na nossa rua.
Mais de um mês acessando do trabalho, onde não posso fazer o que preciso e, francamente, nem daria, com aquela internet de banda lerda.
Pois é. Prometeram para a primeira metade deste mês o reestabelecimento da linha. E adivinhem! Deletaram todos os protocolos que fizemos, durante a labuta. Brasil Telecon! Ah, que defenestrável especulador deve estar sujando o nome de meu país com esta empresa?
Infelizmente Goiás ainda tem muito de interiorzão, como os monopólios. Nem dá para acessar o Garotas Que Dizem Ni desta casa de lã, pois parece que o termo "garotas" activa o sensor e fecha a janela automaticamente.
Não vou soltar os impropérios que me vêm à mente, até porque só os maiores de oitenta anos os entenderiam, também porque sou um menino educado.
Por hoje é só. Obrigado pela atenção e desculpem a pressa. Esse povo aqui cobra caro pela hora.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Die Liebe

"Die Liebe ist ein wildes Tier
Sie atmet dich, sie sucht nach dir
Nistet auf gebrochenem Herz
Und geht auf Jagd bei Kuss und Kerzen
Saugt sich fest an deinen Lippen
Gräbt sich dinge durch die Rippen
Lässt sich fallen, weich wie Schnee
Erst wird es Heiss, dann Kalt, am Ende tut es weh"*

*"O amor é um animal selvagem
Ele te respira ele te procura
Ele se aninha sob corações partidos
E vai à caça quando há beijos e velas
Ele chupa com força nos seu lábios
E cava túneis entre suas costelas
Ele cai suavemente como neve
Primeiro ele fica quente então frio por fim ele machuca"


Ele canta, todas as noites, pra ela. Mas ela não sabe.

Ele pensa nisso, todas as noites. Mas ela não sabe.

Ele sente desejo, sente carinho, sente um afeto que não sabe explicar. Mas ela não sabe.

Ela não sabe daquilo que vai em seu coração. Não sabe das noites que ele não dorme. Não sabe as dores que ele sente. Não sabe sobre os problemas que ele tem. Não faz idéia daquilo que ele tem aguentado.

Ela não sabe de nada.

Não sabe o que ele pode fazer, nem aquilo que ele não pode. Não sabe o que ele sente. Nem por ela, nem por nada.

Mas tudo bem. Ele também, não sabe sequer seu nome.

Ele apenas espera. O momento certo.

Pra ficar quente, depois frio, e então, machucar...


video

"Die Liebe ist ein wildes Tier
In die Falle gehst du ihr
In die Augen starrt sie dir
Verzaubert wenn ihr Blick dich trifft"


* Essa é uma música da banda alemã Rammstein, chamada "Amour".

Um quibe pra chamar Dirceu

O texto de hoje é sobre as dificuldades de se sobre encontrar alguém, um par, uma cara metade, carniunha-almagêmeabatecoração.
Uma pobre teóloga abandonada às moscas como eu, uma Musa e Sacerdotisa Poliândrica, um cara que ama platonicamente, todos nós acabamos tendo, ao fim e ao cabo, o mesmo e eterno dilema.
Eu, por exemplo, não sei paquerar. Sou horrenda nesse quesito. Não sei ir a lugares sozinha, não sei fazer poses sexys e, quando tento, fica parecendo ridículo.
Não consigo me imaginar a fazer um cadastro num site de relacionamentos ou mesmo numa agência de encontros, acho tudo muito estranho.
Os chats também têm suas esquisitices, como os casados que insistem em querer amantes; os garotos mais novos que juram que eu vou sofrer por toda minha vida por não lhes dar uma chance; os que acham que a gente é aquela moça lá da esquina, mas sem cobrar e as mulheres que querem uma outra (nada contra, mas gente... perdão, sou hétero...); também tem as muitas propagandas de sites fake, armadilhas em que sempre tem algum incauto que cai.
O MSN acaba tendo os mesmos problemas, porém menores, porque dá pra selecionar um pouco mais.
Enquanto não acho minha cara-metade, publico uma pequena obra-prima, criada em conjunto e com a inspiração de Sua Corcelidade Tântrica, a Sacerdotisa da Verdade Suprema. Vocês vão ver que nossas conversas são de uma profundidade filosófica incomensurável.

"Debs diz: Eu quero um quibe pra chamar dirceu. (...) Oremos
Adriane diz: E agora, Sua corcelidade Tântrica, a Sacerdotisa da Verdade Suprema e Musa do Corcel Azul-calcinha, proferirá suas palavras de sabedoria para hoje (...) mode liturgia on
Debs diz: O fogo é fogo... esquenta!
Adriane diz: corceluiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! (...)
Adriane diz: Liturgia da Verdade Suprema
Debs diz: lindo
Adriane diz: néam? (...) Como Teóloga, eu miemociono com esses nossos momentos de revelação corcélica. (...)
Adriane diz: Oração pra arrumar um quibe pra chamar dirceu
Debs diz: uia
Adriane diz: Que os quibes me olhe e digam: quebra, Ordinária! Que passem por mim e suspirem: O fofo é fogo, esquenta! Que saibam que eu valho mais que cinco pila! Que quero um quibe pra chamar dirceu! Em nome da Verdade Suprema e dos poderes tântricos Corcélicos! Assim o diz a Sacerdotisa! Assim o confirma a Teóloga!
Debs diz: lindooooooooooooooooooooo".

Porque a filosofia cumpadiuóxitoniana é corcélica. Sem Dúvida.
Olha o quibe!

* Para saber mais sobre a expressão "um homem pra chamar dirceu":
http://www.mpbnet.com.br/musicos/roberto.e.erasmo/letras/mesmo_que_seja_eu.htm