sexta-feira, 26 de junho de 2009

Raiva

É um buraco no meio do estômago. Uma sensação de eletricidade percorrendo o corpo, como uma necessidade premente de fazer algo. Mas não algo de bom. Algo que traga tanta dor à alguém, como essa que você sente.

É sentimento negativo, sim. Faz mal, sim. Mas quem é que está livre de sentir isso?

O próprio JC, não sentiu isso ao tirar do chão as barracas dos vendilhões do templo?

Por isso, a raiva tem seu lado transformador.

Pode trazer algo de bom, sim. Mas vai sempre tirar algo de você também.

Mas chega um ponto, que não dá pra engolir.

Você tem que por isso pra fora (sem piadas erotomaníacas, por favor). Tirar isso de dentro de você.

Mas quando você, conscientemente, não quer ferir ninguém, comofas/?

A Raiva está aqui, alojada na boca do estômago. Me fazendo escrever um dos textos mais cruelmente toscos de toda a existência do Talicoisa.

Não posso bater em ninguém, não posso fazer mal a outrem.

Não posso fazer mal aos outros, tampouco a mim mesmo.

Eu só quero que isso saia de mim. Me permita encontrar paz. Me permita encontrar sossego interior, pra seguir minha vida.

Mas porque isso não vai embora? Porque eu preciso aliviar essa tensão, dissipar esse nódulo.

COMO?!?!

Ainda não sei. Mas eu volto semana que vem. Se Deus permitir, mais calmo.



E pra extravasar, só um pouquinho: http://www.youtube.com/watch?v=5WejPtT5760

5 comentários:

Adriane disse...

Já tentou lutar com um travesseiro?
Gritar em meio ao nada?
Ficar vendo filmes idiotas?
Às vezees ajuda, amigo.
Mas, como você mesmo disse, a raiva pode ser boa. É uma questão de auto-conhecimento...
Beijos!

Nanael Soubaim disse...

Essa passagem da ira contra os comerciantes é polêmica e nunca me convenceu, acredito que tenha sido atribuída a ele ou mesmo que tenha sido um erro de tradução.
Quanto à tua raiva, cante.

Luna disse...

Ouça Slipknot bem alto, mesmo que seja com fones de ouvido.

Aposto que vc escreveu este texto espacando o pobre teclado. Também ajuda a extravasar. Um pouco.

Meg disse...

Uma vez eu joguei um vasinho na parede. É libertador.
Depois eu tive que varrer os cacos...

Nanael Soubaim disse...

Causa e conseqüência, querida. A raiva ensina isto muito bem.