sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Crescit in egregios parva juventa viros*

* (Dos meninos se fazem os homens)

Esses dias estava conversando com o César. Eu e ele nos conhecemos desde os 3 anos. Hoje eu tenho 29. Ele, 28. Mas somos amigos desde a infância, este é o ponto.

Estou à beira dos 30. Ficando velho. Ele também. E todos os nossos amigos, também.

O Júlio, sofreu um acidente horrivel. Ficou em coma por mais de 20 dias. Mas sobreviveu, e hoje está aí vendendo saúde. Faz faculdade de Letras, está noivo e trabalha numa grande indústria farmacêutica.
Há 10 anos atrás, ele tinha acabado de entrar numa faculdade que não quis fazer depois. Não namorava. Não trabalhava. Não fazia muita coisa, além de falar merda comigo e o César.

O Alvaro, hoje, é tatuador. Mora em São Lourenço da Serra. Tem dois filhos com a Priscila, que era uma das meninas mais bonitas daqui. Rala que nem um fdp pra sustentar os filhos. E a Pri também.
Há 10 anos, ele não fazia nada além de balada. Tinha o apelido de "Zé Galinha". Sim, ele era pegador. Ela, estava fazendo faculdade de Moda.

O Tiago, irmão do Cesar, hoje está pra sair de uma clínica. Quase se matou.
Há 10 anos atrás, ele só estudava e ficava atrás do Cesar e de mim.

O Gustavo, irmão mais novo do Cesar, está fazendo cursos e se transformando num técnico de som. Dos bons, mesmo.
Há 10 anos atrás, ele era só um pentelho.

O Cesar, hoje, está se tratando pra perder peso, depois de ter chegado à quase 210 kg. Chegou a ser internado. Ficou mal pra cacete. Mas tá cada dia melhor, graças à Deus.
Há 10 anos, ele era um puta baixista, um puta músico, fazia facu. E zoava. Muito. Comigo e com o Júlio. E o Alvaro. E o Tiago. E o Gustavo. Resumindo, ele zoava todo mundo.

Eu, hoje, tenho 1 divórcio na conta. Estou desempregado há 8 meses. Com dívidas. E tendo uma recaída da Síndrome do Pânico que me aflige desde os 22 anos. E sem muita perspectiva.
Há 10 anos, eu estava buscando uma namorada, cabulando aula e bebendo.

Todos nós crescemos. Envelhecemos. Sofremos. Dos meninos se fizeram homens. E homens que ralam todos os dias. Pra continuar vivo. E pra viver ainda mais.




Da esq. pra dir.: Tiago, Gustavo, Cesar, Alvaro, Priscila, Julio e eu. Da última vez em que estivemos todos juntos.



--§--

Este texto é uma pequena homenagem aos amigos que me acompanharam por esta vida.

2 comentários:

Nanael Soubaim disse...

Bello, ragazzo, piú bello. Aguarde a tua vez, isso me cheia a queima cármica.

Adriane disse...

Amigos...
Você conseguiu fazer um texto lindo, como sempre4, sem ser meloso.
:)
Se eu for falar dos meus, choro...